Pular para o conteúdo principal

A evolução de Paul Krugman

Por Paul Krugman
Num artigo publicado no New York Times, Krugman assinala o declínio dos dogmas económicos que dominaram o pensamento económico hegemónico nos últimos anos e que foram responsáveis pela enorme crise que estamos a viver.
Paul Krugman, um dos economistas mais conhecidos da tradição keynesiana, acaba de escrever um artígo na sua coluna do New York Times (08.08.13), “Phony Fear Factor” (1), que considero de grande interesse e que devería ser distribuído amplamente. Assinala, com razão, que estamos a assistir, durante estes meses, ao declínio e queda de dogmas económicos que dominaram o pensamento económico hegemónico nos últimos anos e que foram responsáveis pela enorme crise que estamos a viver.
Estes dogmas, segundo Krugman, incluem a crença de que “a política monetária expansiva criará inflação”, de que “a redução do défice público criará emprego” ou que “a dívida pública acima de 90% do PIB criará um colapso”. Eu acrescentaria outros como que “o elevado desemprego é resultado da rigidez do mercado de trabalho”, que “a redução da espesa pública estimulará o crescimento económico”, que “os juros da dívida pública se devem à excessiva despesa pública” ou que “a redução do défice cria confiança nos mercados financeiros” e muitos outros dogmas, sustentados hoje (apesar da enorme evidência científica que prova o contrário) pelos poderes financeiros, económicos, políticos e mediáticos espahóis.
Este artigo, que, como indiquei, mereceria uma ampla difusão, mostra, sem dúvida, outro facto de interesse que passou despercebido. E refiro-me à própria evolução de Paul Krugman. Este indica que a primeira vez que leu Kalecki (economista marxista polaco) lhe pareceu que estava errado na sua interpretação do capitalismo. A grande contribuição de Kalecki, uma das mentes mais claras em economia, foi a de combinar Keynes com Marx. Para entender as crises económicas, dizia Kalecki, tem que se ler Keynes, mas também Marx. E isto parece-me óbvio no contexto da crise atual. O maior problema da economia de hoje – tal como assinalam os keynesianos – é a escassez de uma procura que estimule a economia, interpretação correta da causa da Grande Recessão, quase Depressão, que estamos a viver na eurozona.
Mas o que Kalecki nos exigia era ir mais longe e perguntarmo-nos de onde vem esta escassez da procura. E a evidência mostra claramente que vem da diminuição dos rendimentos do trabalho, resultado das políticas públicas levadas a cabo durante o periodo neoliberal, iniciadas na década dos anos oitenta pelo Presidente Reagan e a Sra. Thatcher e mais tarde generalizadas à maioria de países capitalistas desenvolvdos. Esta diminuição dos rendimentos do trabalho impôs-se à população (causando um grande prejuízo ao bem estar das classes populares) para o grande beneficio do capital, como mostra o grande aumento da participação no PIB dos rendimentos do capital à custa da redução dos rendimentos do trabalho.
A evolução da realidade económica fez também evoluir Krugman, de maneira que no citado artigo termina por indicar que Kalecki é o que melhor podería ter explicado a crise atual, que representa o triunfo do capital à custa do mundo do trabalho. É o que costumava chamar-se luta de classes, termo desaparecido, quando não vetado, nos maiores meios de comunicação. E isto apesar dos dados que confirmam que esta supostamente desaparecida luta de classes continua viva e é central para entender que o que nos está a acontecer são derrotas. Nunca antes, no periodo democrático, em Espanha, os rendimentos do capital foram maiores do que os rendimentos do trabalho, com um grande aumento das taxas de lucros das grandes empresas, à custa da descida salarial. E tudo isto com a ajuda da suposta “ciência económica”, financiada pelos grandes bancos e grandes corporações (um caso claro é o da Fedea - Fundación de Estudios de Economía Aplicada) que continuam aferradas a crenças e dogmas que perderam toda a credibilidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…