Pular para o conteúdo principal

Brasil perde um dos seus mais importantes cientistas sociais

Por Ricardo Cavalcanti-Schiel
Faleceu por volta das 21:30 do dia 26 de março de 213, vítima de um acidente de trânsito no Km 92 da Rodovia Bandeirantes, o diretor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, Prof. Dr. John Manuel Monteiro, quando regressava da universidade para sua residência em São Paulo.
Historiador e antropólogo, John Monteiro foi um pioneiro na construção do campo temático da história indígena no Brasil, não apenas produzindo uma obra analítica densa e relevante, como também criando e estimulando a abertura de espaços institucionais e de interlocução acadêmica sobre o tema. Não seria exagerado dizer que foi em larga medida por conta do seu esforço dedicado que esse campo de estudos foi um dos que mais cresceu no âmbitos das ciências humanas no país desde a publicação do seu já clássico “Negros da Terra: Índios e Bandeirantes nas Origens de São Paulo” (1994) até o momento.
Tendo tido toda sua formação acadêmica nos Estados Unidos (graduado pelo Colorado College e doutor pela Universidade de Chicago), John Monteiro carreou para o ambiente acadêmico brasileiro o horizonte do cosmopolitismo e da amplitude geográfica da curiosidade intelectual, algo que ainda hoje contrasta consideravelmente com a primazia de um enfoque quase estritamente regional no âmbito dos objetos temáticos das pesquisas sociais no Brasil. Foi professor visitante na Universidade de Michigan, na École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris e na Universidade de Harvard. Era professor titular da Unicamp e assumiu recentemente a direção do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.
John Monteiro foi o responsável pela formação de uma geração de pesquisadores brasileiros instigados pela reflexão sobre a possibilidade e os significados de se pensar os índios na história e uma história dos índios. Sobretudo no Brasil. Mas também interessados em confrontar a reflexão sistemática empreendida neste campo em outras partes do mundo. Como consequência, não só brasileiros como também muitos latinoamericanos vieram buscar sua interlocução e orientação científica, e ele acolheu pesquisas e pesquisadores da Índia Portuguesa aos Andes, do México ao Chile. Mais que apenas uma obra que tenha eventualmente congregado seguidores, John Monteiro deixa como legado uma agenda intelectual que conta seguramente com muitos cúmplices, da academia ao campo indigenista, do Brasil ao resto do mundo.
Em 1999 participou como um dos autores de uma das mais importantes obras das últimas décadas sobre a história indígena nas Américas, a “Cambridge History of the Native Peoples of the Americas”. John Monteiro faleceu no momento em que provavelmente se encontrava no auge da sua carreira acadêmica e intelectual, e aí permaneceria ainda por muitos anos. Seu corpo será velado a partir das 9:00 de amanhã (28 de março) na nova extensão da biblioteca do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, e posteriormente será cremado pela família.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…