Pular para o conteúdo principal

Paralisação nacional por reformas

Editorial do jornal Brasil de Fato
Desde a campanha das Diretas Já, na década de 1980, não tínhamos mobilizações de rua tão vigorosas.
Os protestos que eclodiram pela indignação da juventude frente a diversos fatores já analisados por nosso jornal serviram para provocar muitas mudanças na política brasileira.
O governo Dilma teve que sair de seu pedestal e veio dialogar com as ruas propondo uma reforma política, uma constituinte e um plebiscito popular. E, finalmente, passou a se reunir com todos os setores organizados. Coisa que não havia feito ao longo de seus dois anos e meio de mandato!
As elites, através da Rede Globo, tentaram controlar as ruas e dar uma pauta direitista. Tampouco conseguiram. Sobrou-lhes o papel de atiçar uma polícia despreparada e seguir infiltrando grupos fascistas e serviços de inteligência das polícias para provocar violência e descaracterizar o movimento. Também, tampouco conseguiram. Quanto mais reprimem, mais o povo fica revoltado.
A Rede Globo se achava a porta-voz do povo. Ledo engano. Mal consegue enganar os televidentes das novelas. A juventude nas ruas teve um só ponto unitário: fora a Rede Globo!
Agora, chegou a vez do povo organizado nos movimentos sociais, nas pastorais e no movimento sindical. Pela primeira vez, depois da derrota de 1989, não se via uma unidade popular tão ampla.
Nos últimos dias, diversas plenárias nacionais uniram partidos de esquerda, todos, todas as centrais sindicais, e mais de 77 movimentos sociais organizados. E desse clima de unidade tirou-se uma plataforma política comum, que extrapola a luta pelo transporte público gratuito e de qualidade e avança para as reformas estruturais que a classe trabalhadora precisa e luta há muito tempo.
Todos os setores organizados da classe se uniram. Há uma prioridade que é fazer a reforma política, que abarque desde a exclusividade do financiamento público de campanha até o direito da população de convocar plebiscitos populares sobre qualquer tema, com um por cento dos eleitores.
Portanto, precisamos lutar pelo plebiscito popular e pela realização de uma constituinte que possam avançar ainda mais nas reformas estruturais que a sociedade brasileira precisa.
E, para pautar todos esses temas entre a classe trabalhadora, foi marcado o 11 de julho como um dia nacional de luta. Precisamos nos organizar, nos mobilizar, e transformar essa data numa grande mobilização popular, que consiga brecar os setores conservadores na mídia, no Judiciário e no Congresso. E pressionar o governo para que tenha coragem de avançar ainda mais, e conseguir de fato, mudanças na melhoria das condições de vida de toda população.
Precisamos, desde logo, apoiar a organização de comitês populares, em cada bairro, em cada setor social, em cada município de todo o Brasil, para organizar a mobilização e seguir à frente organizando o processo de consulta no plebiscito popular a ser convocado. Assim, fazer com que nossa voz se transforme em novas leis – seja pelo atual Congresso seja por uma futura constituinte.
Por isso, o Brasil de Fato, como humilde porta-voz dos interesses do povo, e fiel aos movimentos sociais que o sustentam, quer contribuir para estimular a que todos os setores sociais se organizam da melhora forma possível, para fazermos grandes mobilizações sociais, em todo o território nacional.
Dia 11 é dia de todo o povo ir para a rua e lutar por mudanças econômicas e sociais para o Brasil.
Vamos à luta, que somente lutando melhoraremos as condições de vida de todo o povo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…