Pular para o conteúdo principal

O que fez a Globo tremer?

Por Fernando Brito
Ontem, ouvindo os apresentadores do Jornal Nacional, eu escrevi aqui Atenção: a Globo virou o fio!
Algo fez o Império recuar na verdadeira campanha de propaganda pró-manifestaçôes que vinha fazendo.
Fosse ou não essa a intenção dos manifestantes, a Globo farejou logo que ali estava uma arma contra o Governo Dilma-Lula.
Era um “mensalão” com povo.
E bomba, e fogo, e caos. Uma insurreição popular, vestida candidamente de “menos corrupção, mais educação e saúde”.
Por que a Globo abandonou, então, seus inocentes úteis e diz, hoje, num editorial bulldog – Ultrapassou os Limites - que terminou a promoção grátis do Big Brother de rua?
Diz, sem meias palavras: Uma etapa que se esgota, como a atual se esgotou.
Ou seja, acabou. Saem da tela as meninas jovens e bonitas, ficam só os mascarados ameaçadores.
Por que?
Não é apenas porque a Globo viu, no movimento das ruas “a existência de uma agenda ultrarradical para além do passe livre, como a proposta de uma “reforma urbana”, fachada de um programa lunático de desapropriação de propriedades privadas nas cidades”.
Nem é pelo delírio golpista que recorda as acusações que se fazia a João Goulart de querer “implantar uma república sindicalista”, agora repaginada como “chavismo”:
“Algo que se aproxima da perniciosa “democracia direta” chavista, em que as instituições republicanas são subordinadas a um Executivo cesarista, senhor de todas as decisões, manipulador-mor das massas, mantidas coesas por programas populistas assistenciais economicamente insustentáveis”.
O que assustou a Globo são as pesquisas reservadas que possui, diariamente, e que lhe mostraram que a maioria da população chamava o seu Governo a agir e enfrentar a crise política que ela tinha ajudado a gerar e da qual não se diferenciava aos olhos do povão.
Enfrentar a crise não com bordoada e tiros, mas com firmeza de ação e ousadia de proposição.
Que o desejo das ruas que ela manipulava virasse, como vai virar, alavanca de transformação, dando à mudança forças que, talvez, não possa a mídia conter.
A turma de parvenus da Barra, que vaiou a fala de Dilma, ontem, não vai cancelar a assinatura de O Globo nem deixar de lado o julgamento William Simpson Bonner que lhe é diariamente servido.
A velha golpista de 64 apenas disse: meninos, vamos parar, isso não está dando certo.
Agora, em nome da ordem, vão é tratar de construir um moralista para encarnar a “salvação” e esperar a próxima chance de desestabilização.
A nós, resta um caminho, avançar. Porque ficar parado, achando que a direita morreu ou que é diferente da dos velhos tempos – não importa se de piercing – é escapar do fogo para cair na frigideira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…