Pular para o conteúdo principal

Milhares de pessoas protestam na Alemanha contra a austeridade

Por  AFP
Milhares de pessoas saíram neste sábado às ruas da cidade alemã de Frankfurt para protestar contra as políticas de austeridade aplicadas na Europa, em resposta a uma convocação do grupo Blockupy, constatou um jornalista da AFP.
A maior destas manifestações ocorreu em Frankfurt, onde mais de 5.000 pessoas - segundo uma estimativa da polícia - se reuniram no centro da cidade antes de iniciar uma marcha em direção à sede do BCE, entidade que completa neste sábado 15 anos de sua criação.
Sindicatos e organizações de esquerda (como Verdi, IG Metall, o partido Die Linke, Attac, entre outros), dão, desta forma, continuidade a outra manifestação organizada na sexta-feira e que reuniu cerca de 2.000 pessoas em protesto contra a especulação agrícola.
"Devemos dizer claramente que a política do banco central europeu e da troica, submetidas à influência capital do governo federal, não é a solução", disse à AFP o porta-voz do Blockupy, Roland Suss.
"Pertenço à geração do 'baby boom' e tivemos uma vida relativamente boa. Mas agora estamos lutando por nossa própria sobrevivência", disse à AFP Marica Frangakis, de 62 anos, uma manifestante grega que participa do grupo Attac.
Na Grécia, acrescentou Frangakis, "as pessoas estão desesperadas por uma crise de cinco anos" e, por isso, faz "bem ver pessoas (na Alemanha) que também se sentem envolvidas pela crise".
"Estou feliz de ver as pessoas juntas para expressar sua solidariedade", afirmou. "Precisamos de mais solidariedade. O capital está unido e forte, no entanto mais e mais vozes se expressam na Europa em nome da esquerda", disse Frangakis.
Ao meio-dia, a polícia alemã havia reforçado a vigilância ao redor do protesto. Os agentes policiais abordaram os manifestantes que usavam máscaras para que as retirassem e participassem do protesto com o rosto descoberto.
Já em Lisboa, Portugal, uma manifestação contra as políticas de austeridade estava prevista em frente à representação local do Fundo Monetário Internacional (FMI), no centro da cidade, para protestar contra as pressões impostas pelos credores internacionais ao país.
"Desta vez não será apenas Portugal que vai se manifestar, mas também as pessoas de toda a Europa que desejam protestar contra a receita da austeridade", afirmou um comunicado do movimento apolítico "Que se lixe a troica", principal impulsionador das manifestações.
Muitos grupos ativistas e de militância cidadã anunciaram sua adesão ao protesto, inclusive o grupo de "Indignados" portugueses "15 de Outubro", que já organizou diversas ações públicas de protesto contra as medidas de austeridade.
Assim como em Lisboa, outras 17 cidades portuguesas prepararam manifestações para este fim de semana.
Ao mesmo tempo, em Madri, na Espanha, grupos de esquerda e ativistas anticapitalistas convocaram uma manifestação em frente à Praça de Netuno, próxima ao Parlamento, local de muitas concentrações de protesto nos últimos meses.
Na capital madrilenha a manifestação se propõe a percorrer a avenida que passa em frente à bolsa de Valores, ao Banco Central espanhol e ao escritório da Comissão Europeia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…