domingo, 23 de junho de 2013

Cientistas sociais procuram modelo para onda de protestos no Brasil

Por CASSIANO ELEK MACHADO e GRACILIANO ROCHA
Olhem para paris, diz Teresa Caldeira. Mas não a de Maio de 68: para a antropóloga brasileira radicada nos EUA, professora da Universidade da Califórnia em Berkeley, a análise das manifestações que tomaram o país na semana passada deve se pautar pelos distúrbios que eclodiram nas periferias francesas em 2005, quando cidades suburbanas na região metropolitana de Paris ("banlieues") explodiram em uma onda de protestos sociais.
Especialista em antropologia urbana, Caldeira, 58, pesquisa a cultura da periferia, em especial a de São Paulo, e diz que se vários cientistas sociais se declararam surpresos, para ela não há novidade.
"Todos comparam com Istambul ou com a Primavera Árabe, mas deveriam olhar para o que houve em Paris há oito anos", diz Caldeira. "Dá muito bem para entender o que está acontecendo e isso vem sendo articulado há muito tempo", acredita a antropóloga, autora do livro "Cidade de Muro: Crime, Segregação e Cidadania" (Editora 34).
Ela lembra que o Movimento Passe Livre (MPL) existe há muitos anos e afirma que ele "articula todo o imaginário da produção cultural da periferia".
"A Folha fez uma foto em 2010 de um grafite feito pelo MPL no Minhocão, em São Paulo, que dizia 'A cidade só existe para quem pode se movimentar por ela'."
Caldeira reproduziu a imagem em um artigo dela na revista "Public Culture" (Duke University Press, 2012) e a frase do grafite como uma ideia fundamental do movimento cultural da periferia. "Rap, literatura marginal, pixação, saraus, todos se fazem na base e rede e de circulação. E circular por São Paulo é um caos para quem não tem dinheiro."
Opinião diferente tem o sociólogo francês Sebastian Roché. Em seu livro "Le Frisson de l'Émeute", (Seuil, sem tradução no Brasil), ele afirma que as revoltas que inflamaram a França -cujo estopim foi a morte de dois adolescentes eletrocutados em uma perseguição policial- foram protagonizadas por jovens que se consideram vítimas da xenofobia por não terem a pele branca e, na maioria, filhos de imigrantes e muçulmanos.
"Os jovens muçulmanos, muito numerosos nas 'banlieues', não se sentem aceitos nem respeitados em suas crenças. Além disso, essa juventude foi abandonada à própria sorte. Nas 'banlieues', a taxa de desemprego oscila entre 25% e 40% entre jovens com menos de 25 anos", frisa Roché.
Professor da celebrada Sciences Po (Instituto de Estudos Políticos), da Universidade de Grenoble e pesquisador do CNRS (Centro Nacional de Pesquisa Social), Roché diz ter acompanhado com atenção a onda de protestos no Brasil, e não vê "muitos pontos de comparação" entre o que aconteceu aqui e lá. Na França, diz ele, "não foram pobres destruindo o meio de vida de outros pobres".
"A burguesia ou o governo não foram os alvos. Nenhum espaço do poder foi sitiado ou tomado. Ninguém se aproximou, por exemplo, do parlamento nem da sede do governo [como ocorreu no Brasil]. Aqui, os grupos operavam durante a noite, escondiam o rosto em capuzes e muitas vezes buscavam o confronto com a polícia. Não houve qualquer manifestação de massa, nenhum líder ou palavra de ordem emergiu."
Teresa Caldeira, que no ano passado ganhou a prestigiosa bolsa Guggenheim de pesquisa, nos EUA, aponta outra foto dos movimentos recentes, que ela diz ter visto nas redes sociais, como icônica do que está acontecendo. Dois rapazes seguravam cartazes: um dizendo "O Brasil acordou" e outro "A periferia nunca dormiu".
Também chamaram a atenção dela as faixas que faziam referências ao trabalho da polícia. "A PM está fazendo na Paulista o que faz todo dia na periferia", dizia uma delas. "Há uma tensão de classes latente. E não me surpreende que os protestos tenham chegado agora na periferia", diz ela, citando como exemplo as manifestações dos últimos dias em regiões como a estrada do M'Boi Mirim (na zona sul de São Paulo).
Ela aposta que, "tal como em Paris, em 2005, veremos agora a explosão da periferia". Ainda que, segundo ela, a presença de classes A e B tenha tido importante papel na eclosão dos movimentos, os protestos veiculam uma insatisfação que vem sendo cozinhada nas periferias. "Uma coisa é de onde vem o caldo e a outra é a forma que a manifestação adquire. Na forma, parece um pouco com a Primavera Árabe: a maneira como circularam as informações e a insatisfação com as instituições políticas tradicionais", diz.
"No conteúdo, é muito significativo que tenha estourado pelos R$ 0,20. Ninguém aguenta mais os ônibus da cidade. Conheço muita gente da periferia, devido às pesquisas, que todos os dias posta algo em mídias sociais contra o transporte público."
Para o francês Roché, "a melhoria das condições de vida faz com que aqueles que se sentem excluídos se mobilizem coletivamente para reivindicar, como é o caso do Brasil". "Na França, a questão é de exclusão social em um período de estagnação econômica, e a revolta de 2005 não gerou um modelo coletivo de massas e organizado. Não houve protesto contestador, mas sim apropriações individuais, como roubos e saques, ou então confrontos e destruição para exprimir a raiva. Nas 'banlieues', não houve reivindicação explícita."
Ele afirma que, embora "revoltas possam ensinar muito aos governantes", isso depende de eles "serem capazes de olhá-las de frente". "Na França, nós não aprendemos muito. Em novembro de 2005, a França estava a um ano e meio das eleições presidenciais. O então ministro do Interior [Nicolas Sarkozy, presidente entre 2007-2012] viu naquilo uma oportunidade de reafirmar sua autoridade e estigmatizar as 'banlieues' e seus habitantes com vistas à eleição de 2007" -que ele terminaria vencendo. "Nenhuma análise política foi feita pelo Parlamento e menos ainda pelo ministério do Interior, proibido de refletir sobre sua atuação pelo próprio ministro."
Para o sociólogo, as revoltas urbanas podem, ainda, exprimir um desejo de participação direta nas decisões públicas, no caso de países como Brasil e Turquia. "Nesses dois países, muitos jovens com acesso à educação apresentam reivindicações sobre o direito à diferença e que sejam levadas em conta suas demandas sociais pelo poder central desses países."
O estudioso considera que "há progressos econômicos tanto no Brasil quanto na Turquia, e esses movimentos de contestação se dão em um contexto bem diferente do que ocorreu na França, cujo crescimento econômico tem sido mínimo ou nulo nos últimos anos".
Para o sociólogo "o que está acontecendo no Brasil se parece mais com o Maio de 68". "Naquela época a França vivia em pleno Les Trente Glorieuses [como ficaram conhecidas as três décadas de crescimento e prosperidade no pós-Guerra], e a juventude, com trabalho ou diplomas, mergulhou numa luta para que seu modo de vida e aspirações fossem reconhecidos pelo governo", recorda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário