sábado, 1 de junho de 2013

Casa de parto, alternativa humanizada

Por Mayra Castro
Em São Paulo a Casa do Parto de Sapopemba – única mantida pelo SUS – é um destes lugares exclusivos à realização de partos naturais e humanizados sem intervenções médicas desnecessárias
O parto normal é menos arriscado para a mãe e o bebê do que uma cesárea, recomendada só quando há complicações. Essa é a avaliação do Ministério da Saúde. No entanto, o Brasil é o país campeão em realização de cesáreas no mundo.
Dados da Organização Mundial da Saúde recomendam que apenas 15% dos partos sejam realizados por cesáreas. Mas, no país, esse percentual chega a quase 50%, e em cidades como São Paulo, o percentual supera os 80%, entre as classes mais altas.
A desumanização da saúde pública e a desinformação são os responsáveis por esse quadro. A mulher deixou de ser a protagonista do parto, sendo pouco encorajada a enfrentar tudo como um processo natural, para o qual ela está fisicamente preparada. O parto de uma gestação de baixo risco pode ser encarado como algo natural como a própria concepção. Cultura do medo No entanto, a cultura do medo da dor e os mitos fizeram da cesárea um bem de consumo disponível a quem pode pagar.
Como explica Érica de Paula, parteira e co-produtora do documentário Renascimento do Parto, “a assistência obstétrica brasileira, extremamente tecnocrata e intervencionista, tira das mulheres a oportunidade de vivenciar o parto e o nascimento como um evento único, mágico e transformador”.
Para se contrapor a essa concepção, criou-se então termo parto humanizado, que Ana Cristina Duarte, parteira e integrante do Grupo de Apoio à Maternidade Ativa (Gama), define como “aquele que é feito com foco basicamente nas necessidades da mãe e do bebê, com o uso de evidências científicas e sem procedimentos de rotina, só os necessários, quando necessários”.
A falta de opção ao parto humanizado, sem intervenções desnecessárias que coloquem a mulher no papel de protagonista, respeitando seu tempo e o do bebe é cada vez menor. Os relatórios sobre a violência obstetra no Brasil são responsáveis por denunciar um sistema violento que desumaniza o parto e transforma a saúde das mulheres em mercadoria.
Mais lucrativo
É mais rentável aos médicos e hospitais que o trabalho de parto dure o mínimo possível, para que sejam realizados o maior número de partos, sem qualidade no atendimento durante e depois do nascimento.
Segundo Érica de Paula, a cesariana permite mais controle da agenda e exige menos do profissional. “O hospital também lucra muito mais com um processo cirúrgico complexo e com as possíveis intercorrências relacionadas à cesariana do que com um parto natural”, afirma.
Alternativa
Como alternativa a esse sistema foram cridas, no fi nal dos anos de 1990, as Casas de Parto. Lugares exclusivos à realização de partos naturais e humanizados sem intervenções médicas desnecessárias, que colocam as mulheres como protagonistas do processo. Dessa forma não há a necessidade da presença de médicos, já que o parto é encarado como algo natural e fisiológico.
Em São Paulo a Casa do Parto de Sapopemba é a única mantida pelo Sistema Único de Saúde (SUS). As Casas trabalham em parcerias com os hospitais e só recorrem à intervenção em casos de intercorrências graves. Segundo a professora do curso de obstetrícia da Universidade de São Paulo e fundadora da Casa de Parto de Sapopemba, Ruth Hitomi Osava, essas instituições foram fundadas em consequência a uma resistência nos hospitais públicos, em especial os hospitais universitários a ceder ao intervencionismo colocado pelo modelo atual de parto. Ruth Hitomi Osava, ainda lembra que os procedimentos cirúrgicos são necessários, mas que a opção deve ser dada à mãe a todo o momento e que seja ela sempre a decidir como será seu parto.
Experiência
Layla Lima, estudante, teve seu parto na Casa. Ela conta que durante todo o pré natal foi incentivada a fazer a cesárea, quase sem opção de escolha. Depois de uma pesquisa feita por conta própria, conheceu a Casa do Parto de Sapopemba e o parto humanizado. Optou por esse tipo de procedimento.
“Pesquisando sobre qual era o procedimento que um hospital particular teria com um parto normal, observei que um parto normal, não é necessariamente um parto natural, pois eles (médicos e enfermeiras) intervinham de todas as maneiras imagináveis. O parto se torna só mais um procedimento cirúrgico sob o domínio do médico”.
Sobre o atendimento na casa de parto, ela conta: “Foi dos mais acolhedores possíveis. Uma palavra que definiria toda aquela equipe, sem exceção, é amor. É um espaço muitíssimo especial”.
Proibição
A proibição por parte do Conselho Regional de Medicina de São Paulo para que os médicos não trabalhem nesse tipo de instituição criou uma descrença ao modelo das casas de parto. Isso dificulta a divulgação da Casa da Sapopemba, que trabalha hoje abaixo da sua capacidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário