Pular para o conteúdo principal

A surpresa no primeiro recenseamento da Alemanha unificada

Do DW – Deutsche Welle
Primeira contagem desde a Reunificação mostra que no país vivem menos pessoas do que se esperava: 80,2 milhões. Também o número de estrangeiros é menor que o estimado.
O primeiro recenseamento da Alemanha reunificada constatou que a população da maior economia europeia é menor do que se pensava. Pelos novos números oficiais, o país tem 80,2 milhões de habitantes – cerca de 1,5 milhão a menos que o estimado pelo Departamento Federal de Estatísticas (Destatis).
Os primeiros resultados do censo realizado em 2011 foram apresentados nesta sexta-feira (31/05) em Berlim, pelo Destatis. O número exato de habitantes, na data-base 9 de maio de 2011, é de 80.219.695. Os censos anteriores datavam de 1987, na então Alemanha Ocidental, e de 1981, na Alemanha Oriental.
Por causa da defasagem, matemáticos já esperavam que a contagem trouxesse surpresas. Para estimar a população do país, o Destatis se apoiava em dados dos cadastros das cidades. Na Alemanha, todos os moradores são obrigados a se cadastrar na prefeitura quando se mudam para uma cidade.
Como muitas pessoas deixam de se descadastrar quando vão embora – por exemplo estrangeiros ou estudantes vindos de outros países – esses números são superestimados e, com o passar do tempo, cada vez mais inexatos.
Os recenseadores não questionaram todas as pessoas que vivem no país, mas cerca de 10 milhões de pessoas escolhidas aleatoriamente. O censo se baseia ainda em informações fornecidas pelos cadastros das prefeituras e pelos proprietários de imóveis do país.
O levantamento obedece a uma diretriz da União Europeia (UE), que prevê que todos os países-membros realizem recenseamentos. A contagem deve ser repetida a cada dez anos.
Menos imigrantes do que se pensava
A maior diferença constatada na pesquisa foi em relação aos estrangeiros que vivem na Alemanha. A nova estatística mostra que 6,2 milhões de habitantes do país mais populoso da UE têm outra nacionalidade, ou 1,1 milhão de pessoas a menos do que o calculado anteriormente. A maioria dos estrangeiros vêm da Turquia, seguida da Polônia e da Rússia.
Cerca de 15 milhões de pessoas que vivem na Alemanha, ou 19% da população, têm raízes estrangeiras – são consideradas as pessoas que entraram no país depois de 1955, bem como os filhos delas.
As cidades com mais de 1 milhão de habitantes são quatro: Berlim, Hamburgo, Munique e Colônia. Há mais mulheres do que homens no país: 41 milhões ante 39 milhões.
Cerca de um quinto da população tem mais de 65 anos, o que equivale a 16,5 milhões de pessoas.
Em maio de 2011, havia quase 34 mil pessoas vivendo em uniões civis homossexuais na Alemanha. Dessas, 40% eram de mulheres vivendo juntas. O número de crianças que vivem em famílias registradas como uniões civis de homossexuais é de 5.700.
Cerca de 40 milhões de cidadãos – mais ou menos a metade da população – são economicamente ativos. Desse total, 53,2% são homens e 46,8%, mulheres, uma proporção vista como equilibrada. A população entre 15 e 74 anos de idade que trabalha representa 65,4% do total. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…