Pular para o conteúdo principal

Você é a favor da vinda de médicos cubanos ao Brasil?

Da Redação GGN
Para suprir a falta de médicos em regiões carentes de atendimento, o Governo Federal estabeleceu uma parceria com o governo cubano e pretende trazer seis mil profissionais da ilha para atuar onde faltam médicos. Ainda que afirme que as contratações vão atender rigorosos critérios de qualidade, o Planalto foi criticado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), que argumenta que a qualidade do atendimento vai cair.
Em artigo publicado no blog de Luis Nassif, o médico Pedro Saraiva, que mora e trabalha em Portugal, defende a ação do governo. Ele começa esclarecendo o que, em sua opinião, é um ponto equivocado o defendido na imprensa: a da revalidação automática dos diplomas dos médicos cubanos – a principal reclamação de médicos brasileiros e do CFM. O médico que assina o texto afirma que o Ministério da Saúde não vai trazer médicos “indiscriminadamente” ao Brasil, mas seguir “critérios de qualidade e responsabilidade profissional”.
Saraiva diz ainda que a reação do CFM e de parte da sociedade que não aprova a ideia é fruto de preconceito contra a ilha. “Acho estranho o governo ter falado em atrair médicos cubanos, portugueses e espanhóis, e a gritaria ser somente em relação aos médicos cubanos. Será que somente os médicos cubanos precisam revalidar diploma?”, questiona. E completa: “Do jeito que o discurso está focado nos médicos de Cuba, parece que o problema real não é bem a revalidação do diploma, mas sim puro preconceito”.
Ele explica, ainda, que a contratação de médicos cubanos é uma medida realizada com resultados de sucesso em Portugal, país que, de acordo com ele, enfrenta os mesmos problema do Brasil no que diz respeito a convencer profissionais de medicina do próprio país a trabalhar em regiões mais distantes dos grandes eixos. Após apresentar números, o médico que assina o texto critica a postura do Conselho Federal, afirmando que a entidade não costuma ouvir a população carente sobre a questão. “Até agora não vi nem o CFM nem a imprensa irem lá nas áreas mais carentes do Brasil perguntar o que a população sem acesso à saúde acha de virem 6000 médicos cubanos para atendê-los. Será que é melhor ficar sem médico do que ter médicos cubanos?”, pergunta.
Apesar de afirmar concordar com vários dos argumentos do articulista, o leitor Fernão Bittencourt não concorda com a contratação dos médicos cubanos. Para ele, as informações apresentadas sobre Cuba não representam a realidade e seriam, na realidade, hipocrisia de “patéticos esquerdistas”. Bittencourt questiona ainda o fato do articulista morar em Portugal, e não no Brasil. “Aliás, o que é mesmo que este 'super-herói' que escreveu esta opinião está fazendo mesmo pelas bandas de Portugal?! Talvez, porque o mesmo governo que ele defende tenha lhe dado condições de trabalhar com qualidade aqui, não?!”.
A internauta Nirleia Santiago legitima a vinda dos médicos cubanos por conta do próprio sistema de atendimento da ilha, “a melhor saúde do mundo, principalmente em se tratando do índice de mortalidade infantil que é menor que muitos países desenvolvidos e dos países em desenvolvimento”, diz ela, que complementa ainda: “muitos (médicos brasileiros) já tiveram em Cuba para tentar trazer essa prática para o Brasil e não conseguiram implementar as mesmas em suas áreas por diversas razões: políticas, culturais, religiosas , corporativismo, incompetência administrativa em fazer valer as diretrizes do SUS na implementação da saúde pública comunitária”.
Outro que não concorda é o leitor Celso Raul. Ele argumenta que por trás da postura do governo cubano e das “boas intenções” estão transações que resultarão em dinheiro aos Castro, fruto de “alguma propina para o político brasileiro que esta mediando o negócio”. Ele justifica tal argumento afirmando que, em algumas situações, os médicos aproveitaram para fugir da ilha e se fixar nos países onde atuavam, o que teria levado o governo da ilha a mudar as regras e criar uma cartilha para reger o comportamento dos profissionais cubanos quando em outros países.
A leitora identificada como Ida afirma trabalhar no Unicef em Belém (PA) e diz ser testemunha dos problemas que ocorrem no interior, em especial a falta de profissionais de medicina para atender a população carente, apesar da existência de salários altos. “Precisamos de médicos na Amazônia, urgentemente. Seu artigo bateu nos pontos que acho centrais. E mais, fico pensando porque os estudantes que fazem os cursos de medicina - cursos caros - em universidades federais, não estão devolvendo este investimento de alguma maneira ao público mais carente? Tem que haver uma moeda de troca”, argumenta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…