Pular para o conteúdo principal

Uma lista de 40 livros para ler antes de morrer

Por Carlos Willian Leite
Depois da polêmica sobre os Livros Para Morrer Antes de Ler, convidei leitores, amigos do Fa­cebook, e seguidores do Twitter — escritores, jornalistas e professores — à responder a pergunta inversa. Se aqueles eram os piores livros (Para Morrer Antes de Ler), quais seriam os melhores (Para Ler Antes de Morrer)? Cada participante poderia indicar entre um e dez livros de autores, de todas as épocas, brasileiros ou estrangeiros, tendo como critério principal o gosto pessoal, não importando se um determinado livro era canonizado ou desconhecido, descartável ou duradouro. Discutível como todas as listas de melhores, esta também não pretende ser abrangente e provavelmente se tivesse sido, ou for feita em outra ocasião,  o resultado seria diferente. Ela apenas reflete a opinião, do momento, dos participantes convidados. E os livros citados por eles, bons ou ruins, trazem em comum o fato de tê-los inspirado. E como escreveu Harold Bloom: “Todo mundo tem ou deveria ter uma lista de obras que lhe serviriam de companhia numa ilha deserta.” Abaixo, em ordem de aleatória, os 40 livros escolhidos, sem repetir autores.
Guerra e Paz - Liev Tolstói
On the Road - Jack Kerouac
Grande Sertão: Veredas - Guimarães Rosa 
As Viagens de Gulliver - Jonathan Swift 
Dom Quixote - Miguel de Cervantes 
Robinson Crusoé - Daniel Defoe 
Em Busca do Tempo Perdido - Marcel Proust 
Moby Dick - Herman Melville 
O Processo - Franz Kafka 
Livro do Desassossego - Fernando Pessoa 
Os Irmãos Karamázov - Fiódor Dostoiévski          
Coração das Trevas - Joseph Conrad 
A Divina Comédia - Dante Alighieri 
Hamlet - William Shakespeare
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis 
Pergunte ao Pó - John Fante 
Cem Anos de Solidão - Gabriel García Márquez            
A Montanha Mágica - Thomas Mann 
O Complexo de Portnoy - Philip Roth 
O Som e a Fúria - William Faulkner 
Folhas de Relva - Walt Whitman 
Os Miseráveis - Victor Hugo
1984 - George Orwell            
Desonra - J. M. Coetzee 
O Homem Sem Qualidades - Robert Musil 
Orgulho e Preconceito - Jane Austen 
Ulisses - James Joyce 
A Terra Devastada - T.S. Eliot 
Apanhador no Campo de Centeio - J. D. Salinger
O Príncipe - Maquiavel 
Os Sertões - Euclides da Cunha      
O Velho e o Mar - Ernest Hemingway 
Ficções - Jorge Luís Borges 
Histórias de Cronópios e de Famas - Julio Cortázar 
Madame Bovary - Gustave Flaubert            
Odisseia - Homero 
Meridiano de Sangue - Cormac McCarthy
Fausto -  Goethe 
Lolita - Vladimir Nabókov            
O Tempo e o Vento - Erico Verissimo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…