Pular para o conteúdo principal

Precisamos reabrir a ferida de Serra Pelada?

Do Observatório do Pré-sal
A ferida de Serra Pelada reaberta
Está prevista para 2013 a reabertura da mina de Serra Pelada. A maior mina a céu aberto do mundo, fechada em 1993, iniciará um novo ciclo de exploração de ouro, platina e paládio. O formigueiro de mais de 80.000 humanos, subindo e descendo as íngremes escadas, com pesados sacos nas costas à procura do El Dorado será substituído por imensas máquinas onde trabalharão apenas 500 homens. O ouro, antes obrigatoriamente destinado à Caixa Econômica Federal, ficará nas mãos de uma empresa canadense, a Colossus Minerals. A reabertura de Serra Pelada é um símbolo do boom minerador que vive o país hoje.
A famosa mina encontra-se no município de Curionópolis, no Pará. Curioso nome em homenagem ao major Curió, militar responsável pela intervenção federal a partir de 1980. Aí se encontra a Vila Serra Pelada, com população de cerca 6,5 mil moradores e um dos menores IDHs do país. Segundo os dados oficiais, foram extraídos, na primeira época de funcionamento da mina, mais de 30 toneladas de ouro. Toda essa riqueza deixou um rastro de destruição ambiental e social. Mais de 70% desses moradores são analfabetos e, em recente campanha de saúde, foi constatado que entre 96 pessoas examinadas, 45 eram portadoras do vírus HIV.
Agora se abre um novo ciclo. O garimpo será substituído por grandes e modernas máquinas, os trabalhadores diretamente empregados pela empresa serão apenas 350. Há a estimativa de que existam ainda pelo menos 33 toneladas de ouro no subsolo. Um acordo, que vem recebendo críticas por todos os lados, dará à empresa canadense Colossus Minerals 75% dos resultados operacionais do empreendimento e 25% à Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada (Coomigasp). O resultado dessa parceria foi a criação da Serra Pelada Cia. de Desenvolvimento Mineral (SPCDM), conhecida como Nova Serra Pelada.
Mas a pergunta que fica é: quais os benefícios que a reabertura dessa ferida trará para a sociedade brasileira? Será que o empreendimento é tão novo quanto se autodenomina?
Para se extrair essas 33 toneladas de ouro serão necessários extrair outras 4.024.390 toneladas de outros materiais. Isso significa a abertura de uma nova e enorme cratera de 450 metros de profundidade, devastando uma área que pode variar entre 100 e 1.000 hectares. A quantidade de empregos diretos chega apenas a 500, sendo 150 terceirizados. Em geral, empreendimentos desse porte tendem a monotonizar a economia local causando uma profunda e precária dependência da atividade mineira. Além disso, por tratar-se de uma empresa estrangeira a realização de 75% dos resultados operacionais não se dará no Brasil.
Mas os problemas não param por aí. O que em geral permanece omitido nas notícias sobre a Nova Serra Pelada é a expectativa de vida útil dessa nova velha mina. Segundo Paulo de Tarso Serpa Fagundes, Chief Operating Officer, da Colossus e presidente da SPCDM, o projeto apresenta fôlego para operar de 10 a 15 anos, apenas. Isso mesmo, serão investidos mais de R$ 320 milhões em máquinas, movimentações de solo, pessoal que resultarão em um grande buraco abandonado e sem finalidade, em menos de duas décadas. Tal e qual o lago contaminado de mercúrio hoje existente como memória do antigo garimpo. Como será a vida da comunidade que se tornará dependente da atividade mineira depois que os minérios de escassearem e a empresa for embora? Será que a história de pobreza e sofrimento da população de Vila Serra Pelada persistirá?
Diante da perspectiva da curta vida útil da mina, além de toda a destruição socioambiental que a exploração gerará, fica a pergunta: precisamos reabrir essa ferida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…