Pular para o conteúdo principal

O descompasso entre as políticas agrícola e ambiental

Por Flávia Camargo de Araújo e Raul Silva Telles do Valle
Uma das razões que levaram à destruição de quase toda a Mata Atlântica e de grandes porções do Cerrado e da Floresta Amazônica foi o descompasso histórico entre as políticas agrícola e ambiental. Enquanto a primeira focou os aspectos econômicos e técnicos, induzindo ao aumento constante de produção agropecuária sem levar em consideração os limites ou condicionantes ambientais, a segunda tentava impor, sem sucesso, alguns limites.
Por isso, o setor agropecuário é hoje o principal responsável pelas altas taxas de desmatamento dos biomas brasileiros, ao mesmo tempo em que acumula grande passivo ambiental nas áreas já consolidadas, onde poucas são as unidades produtivas que mantêm integralmente conservadas as áreas protegidas pela legislação florestal, desde pelo menos 1934. No confronto entre a política agrícola e a ambiental, ganhou a mais estruturada e atrativa economicamente.
Esse foi o pano de fundo do processo de revogação do Código Florestal, substituído, há um ano, pela Lei Federal nº 12.651/2012. Ela reduziu as exigências de proteção à vegetação nativa, sobretudo aos que já a haviam desmatado — legal ou ilegalmente — até 2008. O agricultor familiar que, antes disso, desmatou ilegalmente uma beira de rio poderá ganhar um certificado de regularidade ambiental protegendo apenas cinco metros de "mata ciliar". Já seu vizinho, também pequeno agricultor, por haver respeitado a lei e protegido integralmente a mata ciliar, só terá o certificado se mantiver uma faixa mínima de 30 metros de floresta na beira do mesmo rio.
A nova legislação acabou premiando os que apostaram contra a lei e, por consequência, puniu quem, ao conservar as áreas por ela protegidas, garantiu à sociedade a oferta de serviços ambientais (produção de água, controle de pragas, regulação do clima etc.). Isso significa não só a condenação de áreas ambientalmente importantes atualmente degradadas, mas, se nada for feito, um estímulo a novas derrubadas ilegais. Não por acaso, o desmatamento na Amazônia e no Cerrado voltou a subir, invertendo a tendência dos últimos cinco anos.
Para sair desse caminho vicioso, é fundamental encontrar meios de compatibilizar a política agrícola e a florestal, fazendo com que, pela primeira vez, uma reforce a aplicação da outra. Propostas existem, e já estão na mesa do governo federal.
Uma delas prevê a inclusão de prêmios, no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), aos pequenos produtores que produzem em bases sustentáveis. O programa permite ao poder público comprar diretamente, sem licitação, alimentos produzidos por agricultores familiares para abastecer creches, asilos e hospitais. O PPA tem 10 anos de existência e vem adquirindo cada vez mais importância no meio rural. Em 2012, desembolsou R$ 838 milhões para 185 mil agricultores familiares de todo o país.
Pela proposta, os agricultores que conservarem devidamente suas áreas protegidas, ou seja, não tiverem "áreas rurais consolidadas" (eufemismo criado pela nova lei para denominar pastagens e plantações situadas em áreas que deveriam ser protegidas) poderão vender seus produtos a um preço até 20% superior ao recebido pelos demais produtores. Se, mesmo tendo áreas irregularmente desmatadas no passado, decidirem restaurá-las, receberão um prêmio de 5% enquanto estiverem no processo.
A proposta já recebeu o apoio do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), mas, para ser colocada em prática, precisa do aval dos seis ministérios que compõem o grupo gestor do PAA.
Se essa e outras propostas similares forem viabilizadas, teremos um novo cenário para a agricultura no país e, mais, para a política ambiental brasileira. Hoje, a agricultura familiar responde por 70% dos empregos no campo, 40% da produção agrícola total e 60% dos alimentos que abastecem a mesa dos brasileiros, embora ocupe apenas 24,3% da área total dos estabelecimentos agropecuários.
Se formos capazes de fazer que as políticas direcionadas a esse importante público sejam coerentes entre si, ou seja, sinalizem claramente que o respeito ao meio ambiente é um valor a ser levado em consideração na implementação das políticas de apoio à produção agropecuária, a agricultura entrará, finalmente, no século 21.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…