Pular para o conteúdo principal

O debate no FMI sobre a política macroeconômica

Por Bráulio Borges, ESPECIAL PARA A FOLHA
Muitos são aqueles que vêm argumentando que, nos últimos dois ou três anos, o tripé de política macroeconômica estabelecido no Brasil em 1999 teria sido ferido letalmente ou até abandonado.
O câmbio já não é mais flutuante (ao menos para baixo), o superávit primário foi reduzido e o Banco Central já não segue estritamente o seu mandato, que é o de manter a inflação de acordo com as metas (passando a perseguir, alternativamente, metas de crescimento, de taxa de juros e de taxa de câmbio).
No Brasil, esse caloroso debate parece estar completamente desconectado das discussões de altíssimo nível que vêm sendo feitas mundo afora. Um exemplo é o seminário Rethinking Macroeconomic Policy 2, realizado pelo FMI em Washington há poucas semanas, contando com a presença de economistas como Olivier Blanchard, Joseph Stiglitz e Michael Woodford, dentre outros.
O debate lá fora tem convergido em direção à necessidade de aprimorar o arcabouço de política macroeconômica adotado em boa parte dos países antes da crise.
Ele era consubstanciado no binômio "uma meta (inflação), um instrumento (taxa básica de juros)", utilizado sob a crença de que manter a inflação baixa e estável era condição necessária e suficiente para alcançar a estabilidade macroeconômica no seu sentido mais amplo.
A crise de 2008/09 jogou um balde de água fria nessa crença. Há cada vez mais consenso de que os Bancos Centrais não devem perseguir apenas uma meta (inflação), mas também se preocupar explicitamente com a atividade econômica e com a estabilidade financeira.
Para isso, lançariam mão de outros instrumentos além da taxa básica de juros, como medidas macroprudenciais e relaxamentos quantitativos/compras de ativos.
Isso não quer dizer que o sistema de metas de inflação deve ser abandonado. Mas é preciso levar em consideração outras metas, associadas a variáveis que afetam a inflação de bens e serviços e também a estabilidade financeira (como, por exemplo, os preços de ativos reais e financeiros) -sem, contudo, deixar de zelar pela transparência e accountability típicos do sistema de metas.
No caso da política cambial, dada a elevada volatilidade dos fluxos de capitais e o potencial desestabilizador que correções bruscas na taxa de câmbio podem gerar sobre a economia, o novo consenso tem apontado que os BCs não podem mais considerar a taxa de câmbio apenas como um mero canal de transmissão da política monetária para a inflação.
A recomendação é adotar, seletivamente, alguns tipos de controles de capitais e evitar desvios muitos sistemáticos do preço desse ativo em relação aos seus fundamentos de médio e longo prazo.
Na seara fiscal, o debate vem reforçando a necessidade de manter as relações entre a dívida e o PIB bem distantes do limiar crítico de 90% do PIB. Endividamentos próximos ou abaixo de 40% parecem ser seguros, ao manter um bom espaço para acomodar eventuais momentos de recessão mais severa e prolongada.
Ou seja, mais importante do que o tamanho do superavit primário e/ou do deficit nominal é o nível e a trajetória do endividamento.
Apesar de todo esse debate lá fora -que já vem moldando as políticas econômicas em vários países, inclusive no Brasil-, ainda há muitos que insistem em pensar com a mesma cabeça de cinco ou dez anos atrás.
Como disse John Maynard Keynes, criador da macroeconomia (hoje reencarnado em Paul Krugman): "A verdadeira dificuldade não está em aceitar novas ideias, mas escapar das antigas".
Muitos defensores das ideias antigas, como o próprio Blanchard e John Williamson (tido como um dos pais do chamado "Consenso de Washington" -conjunto de recomendações bastante liberais que moldou boa parte das políticas macroeconômicas até a eclosão da crise), vêm mudando suas cabeças, ao menos parcialmente.
No Brasil, falta perceber que o momento atual é bem diferente da época em que se achava que vivíamos na "grande moderação", quando se avaliava que políticas relativamente simples (e muito elegantes, conceitualmente) eram suficientes para resolver boa parte dos problemas macroeconômicos. Infelizmente, a realidade é muito mais complexa e feia do que muitos gostariam.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…