Pular para o conteúdo principal

Microsoft se prepara para futuro sem PCs

Por Janet I. Tu
Seis meses depois do lançamento do Windows 8, e pouco depois da divulgação de um relatório trimestral que causou surpresa por sua solidez, os observadores da Microsoft levantam as seguintes questões: será que a companhia é a tartaruga lerda, mas persistente, que vence as lebres do setor – Google e Apple? Ou será que a queda drástica do mercado de computadores, a resposta morna ao Window 8, e a presença ainda ínfima nos tablets e smartphones são sinais de um futuro ameaçador para a empresa?
Os analistas concordam que a Microsoft é uma companhia em transição, que saiu de uma posição de domínio em um mundo centrado no Windows e nos computadores para se tornar uma empresa que oferece serviços e aparelhos.
De fato, enquanto a área de “serviços” está decolando agora, a companhia não vai tão bem na área de aparelhos, com exceção do seu videogame Xbox. O Office 365, o modelo de assinatura para o Office, deverá se tornar uma operação de US$ 1 bilhão até o final de junho.
Embora a curva de crescimento do Windows esteja se achatando, o Office continua forte, e a divisão de servidores da Microsoft, que abrange produtos e serviços para uso corporativo, continua crescendo consistentemente todos os trimestres.
“Muitas pessoas não reconhecem que a Microsoft oferece uma grande diversificação”, disse Al Gillen, analista da empresa de pesquisa IDC. “Ainda que o negócio de clientes Windows pare de crescer novamente – embora não ache que isto vá acontecer –, as outras divisões da companhia têm um bom desempenho e não são prejudicadas pela divisão do Windows.”
Novas plataformas
As operações do Windows continuam sendo uma das divisões da Microsoft que mais geram lucros e talvez seja a mais identificada com a companhia.
Os lucros da divisão, depois de ajustes na área contábil, permaneceram inalterados, segundo o relatório do último trimestre da Microsoft, encerrado em 31 de março.
Para muitos analistas, esse foi um desempenho relativamente bom, considerando a queda de 11% a 14% das vendas de computadores no mesmo trimestre, como mostraram as empresas de pesquisa de mercado Gartner e IDC.
Mas o veterano analista da Microsoft, Ruck Sherlund, com investimentos no banco Nomura, destaca que, depois dos ajustes, os lucros, caíram 20% ano a ano na divisão. “A queda das vendas de computadores ficou clara pela queda dos lucros, porque estava mascarada na receita sob a forma da venda de hardware”, disse Sherlund.
Por hardware, Sherlund refere-se aos tablets da marca Microsoft, os aparelhos Surface Pro e Surface RT, que, apesar da informação de que não venderam tão bem quanto a Microsoft previa, contribuíram para o lucro da companhia. O problema, segundo Sherlund, é a margem de lucro do hardware, menor do que a do software.
A Microsoft não informou o número das unidades de Surface que foram vendidas. Também não atualizou os dados sobre as vendas do Windows 8 desde o começo do ano, quando disse ter vendido 60 milhões de licenças do Windows 8, que começou a ser comercializado em 26 de outubro.
Em seu informe sobre a queda das vendas de PCs, a consultoria IDC atribuiu grande parte da culpa ao Windows 8, afirmando que “as mudanças radicais na interface do usuário, a retirada do botão 'Iniciar' ao qual todos estavam acostumados, e os custos relativos à tela que funciona pelo toque tornaram os PCs uma alternativa menos atraente em comparação aos tablets e outros aparelhos concorrentes”.
Para Sherlund, a empresa deveria levar seus produtos como o Office para o Android e outras plataformas. “É crucial que a Microsoft tire proveito de múltiplas plataformas e não apenas do Windows”, disse.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…