Pular para o conteúdo principal

Livro conta a história da formação do Exército brasileiro

Por Andre Araujo
A INVENÇÃO DO EXÉRCITO BRASILEIRO - livro de Celso Castro - Jorge Zahar Editor - O livro traz a narrativa historica da formação do Exército através de de sua simbologia fundamental. Celso Castro é mestre e doutor em Antropologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, professor de Sociologia e Politica da PUC-Rio e pesquisador do CPDOC da Fundação Getulio Vargas. O livro mostra como se formou a estrutura construtiva do Exercito através de tres simbologias, o culto a Caxias, as comemorações da vitoria sobre a revolta comunista de 1935 e consolidação do Exercito desde a primeira Batalha de Guararapes e sua data vitoriosa celebrada como Dia do Exercito, 19 de Abril de cada ano, lembrando que o Exercito é mais antigo que o Pais e anterior ao Estado brasileiro.
A escola-farol da formação da oficialidade, Escola Militar do Realengo, a partir de 1944 transferida para Resende e desde então conhecida como Academia Militar de Agulhas Negras é tambem analisada pelo livro.
A obra trata da importacia crucial da Missão Militar Francesa e a introdução de ""patrons"" para cada turma, em torno do nome de comandantes historicos e a nomeaçao das unidades pelos nomes referenciais como de Antonio Sampaio, patrono da Infantaria (Regimento Sampaio, modelo da arma), de Mallet como patrona da Artilharia, outros chefes antologicos como Osorio e Andrade Neves (Regimento Andrade Neves) dando o nome e o pavilhão a unidades-simbolos.
A importancia das tres grandes escolas de formação, a do Rio, a de Porto Alegre e a de Fortaleza tambem é tratada no livro.
Os arranjos organicos em torno da concepção institucional do Exercito como construtor da nacionalidade, com uma centralidade da fugura lendaria do Duque de Caxias, morto em 1880 e a partir de 1923 erigido como patrono do Exercito, substiuindo Osorio, simbologia consolidada nos anos 30 e 40, soldada nas lutas no campo italiano e na modernização dos anos 50.
Os Exercitos, em tono o mundo, tem como cimento a simbologia e o cerimonial militar, preservado como ligamento institucional. Lembro como meu saudoso amigo, General Antonio Ferreira Marques, que particpou da campanha da Italia na Segunda Guerra, era a cada dois anos convidado para as cerimonias comemorativas da vitoria aliada que se realizavam nos Estados Unidos, no ambito estritamente militar, isso ainda na decada de 90, os americanos enviavam passagem, pagavam todas as despesas, mais de 40 anos depois do fim da guerra, trazendo para a cerimonia aliados das batalhas em que lutaram pela causa comum. O General Marques era Chefe do Estado Maior do Exercito quando esse orgão comemorou 100 anos de existencia, quando tambem foi realizados eventos para registrar a data, são momentos de grande importancia para a organização militar, não só no Brasil, é igual em todos os Exercitos, faz parte da formação e da estrutura da força.
O Brasil como Estado é uma construção do Exercito, da Casa de Bragança e da Igreja Catolica, tres instituições que são o DNA do Brasil enquanto Pais, historia que não se apaga e que explica porque o Pais é como é e como foi formado no passado, como funciona hoje e como será no futuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…