Pular para o conteúdo principal

Krugman critica patamar reduzido das metas de inflação

Por Paul Krugman
A solução dos quatro por cento
Larry Ball argumenta que seria muito melhor termos uma meta de inflação de 4 por cento do que de 2 por cento, o que é neste momento a ortodoxia dos bancos centrais. Academicamente, essa posição não é nada estranha. Na verdade, a argumentação de Ball é muito semelhante à que Olivier Blanchard fez há três anos, apenas enunciada de modo mais enfático e apresentando maiores evidências.
O ponto básico é que um patamar maior para a inflação tornaria menos provável o surgimento da armadilha de liquidez, em que a política monetária convencional está diante do seu limite inferior zero, e menos onerosa quando ela acontece. Ball estima que se tivéssemos chegado a esta crise com uma meta de inflaçãosubjacente de 4 por cento, a média de desemprego ao longo dos últimos três anos teria sido dois pontos percentuais menor. Isso é enorme - equivale a milhões de empregos e trilhões de dólares extras de produção.
Existem dois argumentos principais contra uma meta de inflação mais elevada. Uma delas é que eventos como a atual crise quase nunca acontecem. Minha opinião é que os custos destas crises são tão elevados e as dificuldades que tivemos em responder tão grotescas que, mesmo que fossem eventos de 75 em 75 anos, seriam suficientes para justificar outro tipo de política. Mas Ball também argumenta que o risco do surgimento da armadilha de liquidez é muito maior do que a sabedoria convencional nos quer fazer crer. Basta olhar para a experiência dos EUA. As últimas três recessões foram todas recessões "pós-modernas", causadas por exageros no setor privado, não por apertos monetários do Fed - e em cada caso o Fed teve muita dificuldade para obter resultados. Ambas as recessões de 1990-1991 e 2001 foram eventos de armadilha de liquidez e 2007 foi, na verdade, de acordo com o que havia se tornado o padrão normal, não uma exceção bizarra.
De todo modo, um ponto que Ball não menciona é que, na medida em que consideramos as questões do Japão, em parte, demográficas, isso está se tornando a norma também: baixa fertilidade e, talvez, os baixos retornos de investimentos também estão se tornando o padrão entre os países avançados. Novamente, isso exige uma meta de inflação mais elevada.
O outro argumento seria a ameaça da perda de controle: você concorda que 4 por cento está OK, e de repente você percebe que está no governo Carter ou talvez em Weimar. Como Ball diz, não há realmente nenhuma evidência para este medo. De fato é o que quase todos os bancos centrais acreditam. Mas eles realmente não podem explicar porque acreditam e nunca devemos esquecer que houve uma época em que quase todos os bancos centrais acreditavam que sair do padrão-ouro significaria o fim da civilização.
O ponto é que a meta convencional de 2 por cento é apenas um preconceito, nada mais. Apoiado em certa medida por estudos que sugeriam que 2 por cento era o suficiente para tornar inofensivo o limite inferior zero para a taxa de juros. Mas agora sabemos o quão errado essa visão estava. Por isso, permanecemos com uma meta de inflação que é considerada respeitável porque é o que todas as pessoas respeitáveis aceitam. E é o que todas as pessoas respeitáveis aceitam porque é considerada respeitável.

O que nós queremos? Quatro por cento! Quando queremos isso? Agora!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…