Pular para o conteúdo principal

Jovem acha erro matemático na "teoria da austeridade" e acirra debate econômico

Por Pedro Carvalho

Tese que condena endividamento era usada por políticos para justificar cortes e impostos
A descoberta de um erro matemático surpreendeu economistas e políticos de todo o mundo nas últimas semanas. O equívoco foi flagrado numa famosa teoria de dois professores de Harvard. Segundo a tese, o crescimento de um país fica comprometido quando a dívida pública atinge 90% do PIB (Produto Interno Bruto) – por isso, o trabalho era usado para justificar políticas de austeridade e cortes de gastos nos países em crise.
Thomas Herndon, 28 anos, aluno de doutorado da Universidade de Massachusetts, pediu as planilhas originais aos autores para um trabalho de curso. O jovem então percebeu que elas continham erros primários. “A descoberta dele basicamente invalida a teoria original”, afirma Fábio Kanczuk, professor da Faculdade de Economia e Administração da USP.
A tese havia sido publicada por Kenneth Rogoff e Carmen Reinhart, em 2010. Os acadêmicos cruzaram dados e notaram que, quando a dívida de um país superava a barreira de 90% do PIB, o crescimento econômico anual passava a ser em média 1% menor. Em países como Itália, Grécia e Portugal esse limite teórico foi superado com folga – no Brasil, a relação fica em torno de 35%.
O trabalho vinha sendo usada por autoridades que pediam apertos a países endividados. "Sem dúvida, a discussão sobre austeridade na Europa teve esse estudo como um importante balizador", diz Otto Nogami, professor de economia no Insper. Entre os nomes que se apoiaram no trabalho estão Paul Ryan, candidato republicano à vice-presidência dos EUA, Olli Rehn, comissário europeu de assuntos econômicos e Jean-Claude Trichet, ex-presidente do Banco Central Europeu.
Roma, Itália: dívida pública do país atingiu 126% do PIB no ano passado; no Brasil, índice fica em 35%
Os autores reconheceram ter cometido certos erros. Eles omitiram informações, como o fato de que Austrália, Canadá e Nova Zelândia conseguiram crescer em períodos de endividamento, além de terem se atrapalhado em operações matemáticas por inserir de forma errada alguns dados no Excel.
Ao encontrar os equívocos, Herndon foi lançado a uma espécie de estrelato midiático. Na Europa, ele mereceu extensas reportagens da "BBC", do "El País" – sob o título "o estudante que salvou o mundo da austeridade" – e de outros jornais importantes. Nos EUA, participou até de programas satíricos da TV, como o aclamado The Colbert Report.
Se antes o trabalho de Reinhart e Rogoff era popular entre as autoridades, o inverso parece ocorrer. O último comunicado dos ministros das Finanças do G-20 , publicado há duas semanas, omitiu referências ao nível de endividamento – e um importante economista da Universidade de Stanford, chamado John Taylor, defende que isso teve a ver com a descoberta de Herndon.
Afinal, dívida atrapalha?
Apesar dos erros na teoria, especialistas acreditam que o alto endividamento pode, sim, atrapalhar o crescimento econômico. "Todo endividamento de governo cria um desequilíbrio econômico", diz Nogami. "Quanto mais um país toma recursos no mercado para rolar suas dívidas, menos dinheiro sobra para os investimento", afirma.
Além disso, um governo muito endividado tem maior risco de dar calote, e o mercado cobra mais juros para emprestar a ele. "Num país que precisa pagar juros altos para se financiar, esses juros competem com o investimento", diz Kanczuk. "Ou seja, quem tem algum dinheiro e quer decidir se abre uma padaria ou empresta para o governo a juros altos pode acabar decidindo por ganhar com juros", diz.
Isso não significa que as políticas de austeridade sejam o melhor remédio para lidar com o problema. "A austeridade tem um lado vilão, porque um governo muito austero, que corte demais os gastos, também passa a impactar negativamente o crescimento", diz Nogami.
No fim, talvez a teoria original não devesse ter sido levada tão a sério – e nem os novos cálculos que a contestam. "Dívidas grandes atrapalham, ponto. A teoria não era a razão para se fazer os apertos, e a descoberta de Herndon também não é motivo para que eles deixem de ser feitos", resume Kanczuk.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…