Pular para o conteúdo principal

Formação sobre o preço da luz reúne 750 pessoas em MG

Por MAB
Organizações do estado de Minas Gerais realizaram, nos dias 4 e 5 de maio, em Belo Horizonte, a primeira Formação de Formadores Estadual para articular o plebiscito popular com o objetivo de baixar o preço da luz e ICMS no estado. O evento contou com a presença de 750 militantes que vieram de todas as regiões do estado, representando cerca 80 organizações do campo e da cidade.
O objetivo da mobilização foi reafirmar a importância de discutir junto à população o preço da tarifa energética no estado, “Minas paga um dos maiores preços de energia e ICMS do Brasil, e mesmo assim os serviços oferecidos pela Cemig são de péssima qualidade, queremos uma energia barata para os trabalhadores e que esta seja de qualidade”, afirmou Soniamara, da coordenação nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).
Durante o encontro, as organizações colocaram a atual conjuntura em que vive os estado, e constatando que a forma de governar não beneficia os trabalhadores. “Todos nós temos um alto custo de vida em virtude dos desmandos do governo do PSDB no estado, e este plebiscito possibilitará fazermos um amplo debate com a população, alertando principalmente que este governo de direita não leva em conta os interesses do povo ao não querer a renovação das concessões do setor elétrico e cobrar um imposto tão caro”, resaltou Soniamara.
As organizações saíram da formação com a tarefa de realizarem grandes debates como o que aconteceu nesses dois dias, com o objetivo de alcançar nas regiões o maior número de pessoas para somarem a votação do plebiscito.
Plebiscito Popular
O Plebiscito Popular para baixar o preço da luz e ICMS em Minas Gerais acontecerá de 19 a 27 de outubro de 2013. O estado paga a maior tarifa do Brasil, com lucro de R$ 4,2 bilhões referentes a 2012, e ainda aprovou um aumento de 4,99% na conta de luz das residências para 2013.
A Cemig possui ainda o maior índice de acidentes de trabalho em todo país, o que causa a morte de oito trabalhadores por ano, a maior parte deles trabalhadores terceirizados.
Grande parte do lucro arrecadado pela empresa vai para o bolso de acionistas estrangeiros, hoje, os verdadeiros donos da CEMIG. Imposto na conta de energia, onde o ICMS é o principal, serve como moeda de troca do governo com as grandes empresas, estas receberam em 2010 R$ 9 bilhões em isenção de imposto e descontos, e a população é quem paga a conta. “Se todo este dinheiro que ficaram com as grandes empresas fossem investidos na questão social, poderíamos dobrar o valor investido na educação e na saúde”. Conclui Soniamara.
CEMIG
Atualmente, a empresa detém cerca de 25% do mercado livre de energia, comercializando 19.738.116 MWh com 315 clientes dos estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia, Pará, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Goiás. Isso faz da Cemig a maior comercializadora de energia elétrica para clientes finais do Brasil.
Os dados mostram que 77% dos consumidores da Cemig esperam uma média de 14,32 horas para o religamento da energia quando surgem problemas na rede elétrica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…