terça-feira, 14 de maio de 2013

Forbes destaca importância das universidades brasileiras

Por Marco Antonio L.
Artigo da 'Forbes' destaca importância das universidades no Brasil
Para revista, líderes globais com interesse no Brasil precisam conhecer o ensino superior do País
Um artigo publicado no site da revista Forbes nesta sexta-feira afirma que as universidades brasileiras desempenham um papel importante no momento positivo do País e serão ainda mais importantes no futuro. "(O Brasil) vai fazer inúmeras contribuições e muitas virão de, e quase todas estarão conectadas, a um setor que atrai pouca atenção da grande mídia - a academia", diz o texto, assinado pelo jornalista Ricardo Geromel e pelo empresário americano Luke Barbara, baseado em São Paulo.
Segundo a revista, a atenção no Brasil está focada no crescimento econômico e nas políticas de relações exteriores, em empresas como Embraer e Petrobras e em eventos globais como a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos. "Muitas pessoas fora dos círculos acadêmicos não ouviram falar das universidades do Brasil e de seu importante papel no sucesso do País através da educação, liderança e inovação tecnológica."
O artigo destaca a importância de qualquer líder que deseja entender o brasil de se familiarizar com a educação superior do País. A revista comenta que aqui, ao contrário dos Estados Unidos, são as universidades públicas que mostram melhor qualidade e destaque internacional e que tem sistemas de seleção rigorosos e competitivos.
Um exemplo usado pela publicação é a relação entre o Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e a fabricante de aviões Embraer, que começou nos anos 50. "A poderosa combinação do ITA como uma universidade focada em tecnologia e a agência governamental CTA (Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial, que hoje se chama Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial) deu origem com sucesso à então estatal Embraer, a qual foi privatizada. Hoje, a Embraer é uma empresa global de aviação de US$ 6 bilhões e o ITA é chamado por muitos de 'MIT do Brasil'", diz a publicação, se referindo a uma das melhores universidades do planeta. A revista afirma ainda que o sucesso acadêmico brasileiro vai além da área aeroespacial.
A Forbes cita também que as universidades brasileiras têm parcerias de longa data com as melhores instituições de ensino do mundo e novas iniciativas são lançadas com frequência cada vez maior no País. "A academia brasileira precisa do conhecimento, talento e polinização de ideias de outras instituições e pesquisadores ao redor do planeta. Mutualmente, ela contribui nessa troca repartindo a criatividade, inovação e liderança de pensamento com o resto do globo."
A revista cita, por exemplo, o Centro David Rockefeller de Estudos da América Latina, de Harvard, que estabeleceu um escritório em São Paulo, e a Universidade do Sul da Califórnia, que recentemente lançou um posto avançado para recrutar estudantes brasileiros. Por outro lado, a USP e a Universidade do Estado de Ohio mantêm uma parceria de 49 anos de pesquisa e intercâmbio de estudantes em ciências e tecnologias de agricultura.
Indústria da educação
A publicação americana afirma também que o ensino superior é um grande negócio em si mesmo. A busca por um diploma levou ao crescimento de um setor multibilionário no País. O artigo cita a compra da Anhanguera Educacional pela Kroton Educacional, que vai pagar US$ 2,48 bilhões pela primeira para formar uma empresa de US$ 6 bilhões.
Mas o texto não é só elogios às universidades brasileiras. Segundo a revista, o País precisa melhorar seu "ecossistema educacional" para encontrar as habilidades, conhecimento e inovação para melhorar a qualidade de vida de todos os cidadãos e subir mais alto no cenário mundial. Para isso, afirma a publicação, é necessário um esforço estatal e privado, e muitos empresários apostam que a classe média que emerge no Brasil vai abrir sua carteira para investir em educação.
"Políticas mundiais, liderança econômica, produção energética e segurança alimentar são apenas algumas de muitas áreas nas quais o Brasil vai não apenas contribuir, mas provavelmente liderar no século 21. Influenciadores globais e líderes econômicos devem entender a importância da academia brasileira e se engajar ativamente com instituições de ensino superior que estão criando ideias, tecnologias e líderes que vão moldar o Brasil e, portanto, o mundo".

Nenhum comentário:

Postar um comentário