Pular para o conteúdo principal

Embrapa completa 40 anos e busca novos desafios

Do site Sou Agro
Instituição, fundamental no desenvolvimento da agropecuária brasileira e no aumento da oferta de alimentos, hoje busca caminhos para continuar inovando.
Há 40 anos, em 26 de abril de 1973, nascia a Embrapa, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. O Brasil no início da década de 70 era bem diferente, no campo e, consequentente, na oferta de alimentos, para o morador das cidades.
Em 1972, a safra brasileira de grãos foi de 30 milhões de toneladas, colhida em uma área de 28 milhões de hectares. Hoje esta proporção é bem diferente: a área cultivada com grãos no País é de cerca de 50 milhões de hectares e a produção deve ser superior a 180 milhões de toneladas, segundo estimativa da Conab divulgada na primeira quinzena de abril. O crescimento da oferta de alimentos nos últimos 40 anos fez com que o Brasil passasse de importador para grande exportador de alimentos e foi responsável por uma queda de cerca de 50% no valor da nossa cesta básica.
Atualmente o Brasil ostenta diversos títulos na produção e exportação de produtos agropecuários: é o maior exportador mundial de café, açúcar, suco de laranja, etanol de cana-de-açúcar, frango e soja; o segundo maior exportador de carne bovina, e o terceiro de algodão.
Nas ruas também a situação é bastante diferente. Se no início da década de 70, sentíamos os efeitos da crise do petróleo para abastecer os nossos fuscas e opalas, hoje escolhemos entre abastecer com gasolina ou etanol os nossos carros flex.
Esses avanços, frutos de uma verdadeira revolução no campo brasileiro são resultado da inovação, promovida pela Embrapa e outros centros de excelência em pesquisa agropecuária no Brasil, como o Instituto Agronômico de Campinas (IAC) e o Iapar, do Paraná. Entre essas inovações, destacam-se o melhoramento genético, que gerou cultivares de plantas adaptadas às condições de produção tropicais; os avanços na correção e fertilidade do solo, que possibilitaram o cultivo de grãos nas terras antes inférteis do Cerrado brasileiro e o aumento da produtividade com a fixação de nitrogênio no solo, por exemplo; o controle de pragas e doenças, a rotação de culturas e a recuperação de pastagens degradadas; as melhorias na genética e sanidade animal; e, atualmente, programas como a integração lavoura-pecuária-floresta.
Novos caminhos
As oportunidades do agronegócio brasileiro atraíram outros players e a estatal Embrapa, que já chegou a ter 60% do mercado brasileiro de sementes de soja e 30% do de milho, hoje vê essas participações caírem para 9% e 1%, respectivamente, com a entrada das multinacionais de defensivos agrícolas nesse mercado.
A saída, novamente, é inovar, e desta vez no modelo de negócios. Com um orçamento total da ordem de R$ 2 bilhões e sem condições de competir com essas empresas globais que chegam a investir US$ 1 bilhão por ano apenas em pesquisas, a Embrapa vê na cooperação com a iniciativa privada e em novas áreas de atuação uma saída. Essas novas áreas, enumeradas pelo novo presidente da instituição, Mauricio Antônio Lopes, em entrevista ao jornal Valor Econômico em 22 de abril, são a automação, os alimentos nutracêuticos e a sustentabilidade, escolhidas de acordo com as tendências da produção de alimentos, fibras e energia.
Outra saída deverá ser a criação, aprovada em dezembro pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, da subsidiária Embrapa Tecnologias S.A. (Embrapatec), empresa de capital fechado, mais ágil que a estatal e que poderá comercializar tecnologias, produtos e serviços gerados por ela. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…