Pular para o conteúdo principal

Em debate no Senado (CI), especialistas propõem suspensão de licitação de áreas de petróleo

Por Laércio Franzon, Agência Senado
Ao participar de painel do primeiro ciclo de audiências públicas promovido pela Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI), sobre o tema “Combustíveis líquidos e gases: Petróleo e gás natural”, especialistas defenderam a suspensão da 11ª Rodada de Licitações de áreas de petróleo que a Agência Nacional de Petróleo (ANP) deverá realizar na semana que vem.
Em resposta a questionamento do senador Fernando Collor (PTB-AL), sobre a oportunidade da iniciativa da ANP, o professor Ildo Sauer, diretor do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo, considerou precipitada a decisão da ANP, sobretudo por não estar acompanhada de estimativas confiáveis do potencial de produção das áreas em licitação.
Na opinião de Ildo Sauer, o Brasil, antes de se preocupar com a conversão das jazidas da camada pré-sal em moeda, deveria formular primeiramente um plano nacional de desenvolvimento econômico e social, e a partir dos objetivos traçados neste projeto, utilizar a riqueza do petróleo para investir na melhoria da educação e da saúde publicas, da infraestrutura e do saneamento básico, entre outros setores.
— Que nós saibamos quanto petróleo temos e que façamos um plano nacional de desenvolvimento a fim de que possamos usar judiciosamente o recurso do petróleo que é fruto de uma luta de gerações que vem antes mesmo da campanha “O Petróleo é Nosso”, na década de 50 — disse Ildo Sauer.
No mesmo sentido, o professor Adilson Oliveira, do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), avaliou como precipitada outra iniciativa da ANP de licitar áreas de xisto betuminoso. Segundo o economista, o Brasil deve buscar concentrar seus esforços no desenvolvimento de tecnologia para exploração do petróleo do pré-sal, reservando suas jazidas de xisto para utilização no futuro quando as tecnologias de exploração forem liberadas pelos Estados Unidos.
Comentando a depreciação das ações da Petrobras, Adilson Oliveira atribuiu a perda de valor à uma política equivocada do governo federal de gestão da estatal, a qual, em sua opinião, frequentemente privilegia fatores conjunturais em detrimento dos interesses estratégicos da companhia e do país.
Eduardo Autran de Almeida Júnior, gerente-executivo de Abastecimento e Logística da Petrobras, atribuiu o recente aumento das importações de gasolina ocorrido no país ao crescimento atípico da economia brasileira ocorrido a partir de 2008. De acordo com ele, a Petrobras sempre trabalhou com previsões de taxas de crescimento do consumo de combustíveis próximas do Produto Interno Bruto (PIB), correlação que deixou de existir nos últimos anos.
Eduardo Autran de Almeida Júnior alertou ainda para a possibilidade de a Petrobras enfrentar dificuldades em garantir o abastecimento de derivados de petróleo no país, caso não haja investimentos maciços em logística portuária e tancagem.
Maurício Tolmasquim, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), apresentando estudo sobre a evolução da oferta e demanda de combustíveis para os próximos nove anos, descartou a possibilidade de ocorrência de falta destes insumos no período. Segundo ele, o gás natural, por exemplo, deverá ser suficiente para atender a demanda.
De acordo com Maurício Tolmasquim, o Brasil poderá passar, dentro de  nove anos, mesmo a ser exportador de óleo diesel e importador de gasolina, combustível este que, segundo ele, deverá ser menos valorizado no mercado internacional do que o diesel.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…