segunda-feira, 27 de maio de 2013

Documentário inédito sobre hidrelétricas no Brasil e na Turquia mostra uma luta única por sobrevivência e justiça

Para ver o documentário, clique:
Filme mostra a realidade e as lutas dos atingidos pelas hidrelétricas de Belo Monte, no Brasil, e de Ilisu, na Turquia, e desconstrói o mito de que a hidreletrecidade é uma energia limpa
Já está disponível na versão em português o documentário Damocracy, um filme que, pela primeira vez, relaciona dois grandes desastres humanitários e ambientais em andamento, perpetrados por governos de dois países: no Brasil, a hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, Pará, e na Turquia a hidrelétrica de Ilisu, no rio Tigre.
Dirigido pelo premiado documentarista canadense Todd Southgate, narrado pela atriz Letícia Sabatella e produzido pela organização turca Doga Denergi, com apoio das ONGs International Rivers e Amazon Watch e do Movimento Xingu Vivo para Sempre, o filme traça paralelos sobre os impactos dos dois projetos nas populações locais e o meio ambiente, colocando em cheque o discurso que aponta a hidreletrcidade como fonte de energia limpa.
Assim como Belo Monte, a história do barramento do rio Tigre na região de Ilisu data da década de 1980, quando o governo turco iniciou o projeto da hidrelétrica, com capacidade projetada de 1.200 megawatts. Desde então, da mesma forma que Belo Monte, a usina é foco de uma intensa batalha judicial em função dos seus enormes impactos, principalmente a inundação e destruição de um dos maiores tesouros arqueológicos do mundo: a vila de Hasankeyf.
Hasankeyf tem uma história de mais de 12 mil anos de ocupações por culturas diversas, constituindo um museu a céu aberto. Nos paredões rochosos que margeiam o Tigre, cavernas da era neolítica ainda preservam resquícios dos primórdios da civilização humana. Posteriormente, a região fez parte dos impérios Romano e Bizantino, tendo sido ocupada nos séculos seguintes pelos árabes, Artuqids, Ayubids, Mongóis e Otomanos.  Além do valor arqueológico inestimável e único de Hasankeyf, porém, a vila e seus arredores são o lar de mais de 35 mil pequenos agricultores e pastores, ameaçados de despejo.O documentário mostra imagens impressionantes e depoimentos comoventes da região e de seus moradores.
A semelhança entre o projeto turco e os planos do governo brasileiro para os rios da Amazônia é evidente. Assim como no Brasil, a Turquia planeja construir mais 1.500 hidrelétricas nos rios Tigre e Eufrates, e não só o país, mas Iraque, Irã e Siria sofrerão enormes impactos nos seus reservatórios de água doce. Belo Monte, apenas uma das mais de 60 hidrelétricas planejadas para a região, é uma prova viva dos enormes impactos sociais e ambientais destas mega-obras. “O preço que o mundo está sendo impelido a pagar a governos, como o brasileiro e o turco, para proteger interesses políticos e corporativos, é insano. Damocracy conta uma história de resistência; não deveria se tornar um registro de uma perda que o mundo falhou em previnir”, afirma Engin Yilmaz, diretora executiva da organização Doga Dernegi, principal movimento de resistência contra a construção da usina de Ilisu.
Sobre os produtores
O nome do documentário, DAMOCRACY, é o mesmo de um movimento internacional criado a partir dos debates, na Rio + 20, sobre a insustenatbilidade ambiental e social dos grandes projetos hidrelétricos no mundo. Átualmente, Damocracy é composto pelas organizações Doga Dernegi (BirdLife in Turkey), Amazon Watch, International Rivers, RiverWatch, Gota D’água , Instituto Socioambiental (ISA), Movimento Xingu Vivo para Sempre (MXVPS), Right to Water Campaign Turkey (Su Hakkı Kampanyası), Root Force, Contemporary Visual Arts Society (CVAS), Slow Food Fikir Sahibi Damaklar Convivium, Grand Rapids Institute for Information Democracy, Coordinadora de Afectados por Grandes Embalses y Trasvases (COAGRET) e Environmental Concerns (India). Mais informações sobre o movimento estão disponíveis no site www.damocracy.org.
Sobre o diretor
Todd Southgate formou-se mestre em estudos ambientais na York University em Toronto, no Canadá, e também estudou o “Creative Cinematography” (cinema criativo) no Humber College Institute of Technology and Advanced.
Depois de uma atuação como cinegrafista, jornalista e editor em TVs nacionais no Canadá, Todd passou a dedicar-se ao documentário, tendo dirigido, filmado e escrito mais de 30 documentários e programas ambientais para televisão dos mais variados temas, tais como a exploração dos mares, mudanças climáticas, desmatamento entre outros. Dessas produções, muitas conquistaram prêmios ambientais prestigiados, incluindo o “Grand Prize” no festival EcoFilm na Europa, em 2000.
Nos últimos 13 anos Todd focou a sua lente e concentrou suas produções em um dos sistemas ecológicos mais importante do mundo – a Amazônia.
Suas imagens da Amazônia têm sido vistas nos vários outros canais e redes internacionais de TV. O documentário “Soja: em nome de Progre$$o”, dirigido por ele e produzido em 2005, conquistou o prêmio de votação popular na II Mostra Internacional de Cinema Ambiental (Midcam). Seu trabalho mais recente, “Mudanças do clima, Mudanças de vidas (2006)” está sendo distribuído pela Paramount Pictures em formato “home DVD” no Brasil, juntamente com o documentário que ganhou o Oscar em 2007: “Uma Verdade Inconveniente”. O filme também ganhou um iBEST para melhor documentário on-line em 2008.

Desde 2010, Todd tem trabalhado em parceria com o aclamado cineasta James Cameron, diretor de “Avatar”. Atualmente, é diretor de fotografia de um novo programa da Discovery TV / Animal Planet.

Nenhum comentário:

Postar um comentário