Pular para o conteúdo principal

Capitalismo à brasileira: Estado garante lucro privado no Mineirão

Por Leonardo Dupin
Não existe chance de derrota financeira para o consórcio
A suposta multa dada pelo governo mineiro ao consórcio Minas Arena, que administra o Mineirão, começou a ser paga.
Por ter deixado os torcedores de Cruzeiro e Atlético sem água, sem comida e por não ter aberto o estacionamento no horário prometido na reinauguração do estádio, o consórcio terá que pagar cinco prestações no valor de R$ 200 mil. Foi o que afirmou o secretário da Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa), Tiago Lacerda, em audiência pública realizada em 16 de abril.
Mas o que representa essa multa? Será um cartão amarelo por incompetência administrativa ou uma justificativa pelas críticas recebidas?
Para entendê-la é preciso conhecer os jogadores e as regras do futebol mineiro, quando a partida acontece nos bastidores. O governo do estado e o consórcio Minas Arena têm sido os principais jogadores e vêm trocando passes.
Para ter direito a operar o Mineirão por 25 anos, o Minas Arena teve que investir R$ 654,5 milhões no estádio, dos quais recolheu do BNDES R$ 400 milhões.
Porém, antes disso, houve outros gastos pagos pelas três empresas que compõem o consórcio Minas Arena (Egesa, Construcap e Hap Engenharia), pouco divulgados. Juntas, essas três empresas doaram para campanhas políticas nas duas últimas eleições, em 2010 e 2012, um montante de R$ 25 milhões. Só para o PSDB mineiro, que governa o estado, foram mais de R$ 6 milhões.
Na eleição municipal do ano passado, o time que recebeu a maior bolada foi o PSB, do prefeito reeleito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda.
Segundo o TRE, R$ 1,540 milhão — mais da metade dos R$ 2,9 milhões que as três empresas doaram – teve como destino os cofres do partido. Lacerda entrou em campo para disputar a reeleição, com apoio do PSDB e seus jogadores mais importantes, o governador Antonio Anastasia e o senador Aécio Neves. Os dois tucanos atuaram na marcação, demovendo dois possíveis adversários eleitorais do prefeito. Délio Malheiros (PV) entrou para o time de Lacerda e se tornou vice-prefeito.
Já Eros Biondini (PTB), aguentou o banco de reservas e após as eleições foi nomeado secretário do governo Anastasia.
Porém, a contratação de meio campo mais interessante do governador tucano, foi a de Tiago Lacerda (filho do prefeito Marcio Lacerda). Ele tornou-se secretário da Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa), responsável por gerenciar um generoso contrato assinado entre o governo e o Minas Arena.
No mundo da aclamada livre economia de mercado tucana, não existe chance de derrota financeira para o consórcio, uma vez que o contrato assinado impossibilita o prejuízo para a empresa (o mesmo não acontecendo com os cofres públicos).
Durante o período de concessão do estádio, o Minas Arena terá um retorno garantido, que vai variar de acordo com seu desempenho financeiro. Por exemplo, se o negócio não render lucro, o governo repassa ao consórcio um valor mensal que pode chegar até R$ 3,7 milhões por mês.
O contrato assinado estabelece uma faixa de garantia, se o negócio rende até R$ 2,59 milhões por mês, o governo completa a diferença entre R$ 3,7 milhões e R$ 2,59 milhões.
Enquanto paga cinco parcelas de R$ 200 mil referentes à multa, o Minas Arena recebe uma quantia mensal do Estado, que pode chegar a ser 18 vezes maior, durante esses 25 anos.
Assim, ainda que o estádio permanecesse fechado, o faturamento do consórcio nesse período iria passar de R$ 1,1 bilhão.
No mundo do futebol mineiro, políticos e empreiteiras fazem um jogo de cartas marcadas, onde a mídia discute a venda do tropeiro e oculta os grandes lances.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…