Pular para o conteúdo principal

Aracelli, uma brasileirinha: 40 anos de impunidade

Por Cecília Luedeman,
Em defesa da menina barbaramente assassinada, jornalista José Louzeiro pede a reabertura do processo e denuncia “os intocáveis” de Vitória (ES).
Aracelli Cabrera Crespo, símbolo do Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, tem o seu nome manchado de sangue há 40 anos pela impunidade no Brasil.
Aos 8 anos de idade, em 18 de maio de 1973, a menina Aracelli foi estuprada e assassinada a dentadas pelos filhos da elite de Vitória (ES), Dante Michelini Jr. e Paulo Helal, mas, julgados foram absolvidos, protegidos pela polícia, Justiça, militares e governantes durante a ditadura.
Em 2000, no governo Fernando Henrique Cardoso, o dia do assassinato de Araceli se transformou em símbolo do combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, mas os assassinos continuaram impunes. Até hoje. Aos 80 anos, o jornalista José Louzeiro, autor do romance reportagem Aracelli, meu amor, censurado na época pelo governo militar, denuncia os “intocáveis” de Vitória e se mantém fiel aos oprimidos, na reportagem, na literatura e na vida.
Brasil de Fato – O que significam esses 40 anos de impunidade no caso Araceli?
José Louzeiro - É, rico não vai preso.
Em seu livro Aracelli, meu amor, relançado neste ano, você explica que Dante Michelini Jr., o Dantinho, e Paulo Helal, o Paulinho, assassinaram Araceli, em uma festinha violenta do pessoal da motoca. As famílias Helal e Michelini eram traficantes de drogas?
Sim, elas eram donas do tráfico, da polícia, dos ônibus, dos aviões, do campo, da cidade, tudo.
Como você conseguiu fazer uma investigação tão minuciosa, chegando a tantas fontes para a elucidação do caso Araceli?
Eu passei uns dois anos colhendo material, devo ter ido umas 50 vezes escondido para Vitória. Eu fiz essa investigação com a ajuda do perito Asdrúbal de Lima Cabral, o Dudu, o repórter Jorge Elias, do jornal Última Hora e a fotógrafa, Ednalva Tavares, minha mulher na época.
Ao invés de ouvir as fontes oficiais, você procurou ouvir as pessoas do povo, nas ruas, na periferia de Vitória, na barbearia, na mercearia, no bar, porque eles tinham as informações que a polícia e os militares escondiam?
Eu nunca acreditei nas fontes oficiais. Sempre desconfiei. Eu ouvia todos nas ruas, porque eles sabiam o que estava acontecendo.
Você ouviu a cozinheira, a enfermeira, o motorista, a prostituta...
É, o funcionário do bar onde a menina foi metida na geladeira...
Você foi descobrindo as testemunhas silenciadas, como a namorada do Jorge Helal, a Marislei, e o motorista?
Sim, mas depois eles foram matando as testemunhas, como o Homero Dias, que trabalhava no serviço secreto da Polícia Militar, enviado para investigar o assassinato, e mataram também a namorada do Homero, que não tinha nada a ver com a história.
Então, mesmo sob a perseguição dos Michelini e Helal, você conseguiu as fontes para reconstituir o crime e apontar os assassinos, em Aracelli, meu amor?
O livro – eu tenho muito orgulho disso – é uma reportagem. Eu sempre tive a necessidade, não sei por quê, de me comprometer com a verdade, doa a quem doer, até a mim mesmo. Porque até perdi o emprego por causa disso. Então, cheguei aqui, nos primeiros 80 anos e no que puder ajudar para a memória de Araceli, pode contar comigo. Agora, eu vou lutar muito e peço a ajuda de vocês para fazermos o longa-metragem sobre o caso Aracelli e gostaria que fosse com o diretor Sérgio Rezende.
Na opinião do jurista Hélio Bicudo, embora já prescrito, o processo do caso Araceli poderia ser reaberto como crime hediondo. Você concorda com Bicudo?
Sim. Eu me coloco à disposição para dizer o que for possível em defesa dessa menina que passou por nós e foi tão cruelmente sacrificada. Ela foi morta a dentadas, por cachorros com formato de ser humano.
O governo Dilma deveria exigir a punição dos assassinos da brasileirinha símbolo do Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes?
Eu acho que o poder fez a nossa presidenta esquecer as torturas que ela sofreu. Eu imagino o que ela sofreu. Porque o lema da casa era o seguinte: entram agoniando e saem agoniados, num caixão, nem caixão...
Então, a justiça para a menina Araceli envolve a coragem de mexer no passado da ditadura, coisa que a Comissão da Verdade ainda não conseguiu?
Nós vivemos num país que tem dois donos: os ricos e os milicos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…