Pular para o conteúdo principal

Alunos são principais agressores e também maiores vítimas da violência nas escolas

Por Raimundo de Oliveira
Pesquisa encomendada pela Apeoesp mostra que briga entre alunos é o caso mais comum, mas professores também sofrem com agressão verbal. Professores pesquisados apontaram o bullying está entre os tipos de violência ocorridos nas escolas do estado
São Paulo – Os alunos são os principais autores da violência nas escolas para 95% dos professores da rede estadual de ensino. Eles também são apontados como as vítimas mais frequentes por 83% dos docentes, segundo pesquisa realizada pelo sindicato da categoria (Apeoesp) com 1.400 professores de 167 cidades paulistas. O levantamento, divulgado hoje (9), na sede da entidade, mostra que 52% dos entrevistados relataram ter conhecimento de casos de agressão física ocorridos nas escolas onde trabalharam em 2012.
As brigas entre alunos são os casos de violência mais comuns presenciados pelos professores no ano passado, sendo apontadas por 72% dos entrevistados. As ameaças entre alunos foram testemunhadas por 57% dos professores.
A pesquisa, executada pelo instituto Data Popular entre 18 de janeiro e 5 de março, por telefone, mostra que 44% dos professores sofreram algum tipo de violência no ano passado, sendo que a maioria (39%) aponta a agressão verbal como o mais comum, seguida pelo assédio moral (10%), bullying (6%), agressão física, discriminação e furtos, todos com 5% cada.
A presidenta da Apeoesp, Maria Izabel Noronha, afirmou que o sindicato pretende repetir o levantamento a cada dois anos para acompanhar a situação da violência nas escolas paulistas e também vai desenvolver um projeto para tentar combater as principais causas do problema.
A dirigente disse que os dados revelados são preocupantes e serão repassados ao governo estadual. “Alunos, professores, pais, a sociedade toda sofre com essa situação”, observou.
De acordo com a pesquisa, as drogas são um dos principais problemas relacionados pelos professores à violência nas escolas. Para 42% dos entrevistados, a presença na sala de aula de alunos sob efeito de drogas é apontada como a principal situação de violência. O tráfico de drogas e alunos sob efeito de bebida alcoólica vêm em segundo lugar, com 29%.
A presença de gangues no ambiente escolar foi indicada por 21% dos professores que responderam a pesquisa como terceira principal situação de violência, seguida pelo porte de arma branca (15%) e porte de arma de fogo (3%).
Centro e periferia
Mais da metade dos professores (57%) entrevistados consideram violentas as escolas da rede estadual de ensino e a situação é pior nas periferias das cidades. Para 45% dos que lecionam em regiões centrais as escolas são consideradas violentas. Na periferia, o índice sobe para 63%.
Dos que lecionam em regiões centrais, 61% afirmam que há policiamento na região das escolas e este índice cai para 45% na opinião dos que atuam nas periferias.
Os professores do sexo masculino que lecionam em classes do ensino médio são as maiores vítimas. Nesse segmento, 65% afirmaram ter sofrido algum tipo de violência e entre as mulheres do grupo este índice é de 47%.
No ensino fundamental 1 (1ª a 4ª séries), a situação se inverte e 47% das mulheres relataram ter sofrido violência enquanto o índice entre os homens foi de 44%. As mulheres também são as maiores vítimas entre os que lecionam no ensino fundamental 2 (5ª a 9ª séries), com um índice de 29% contra 24% dos professores do sexo masculino.
A pesquisa também mostra que a falta de educação, de respeito e de valores foram apontados por 74% dos professores como principal causa da violência nas escolas, seguida pela desestruturação familiar (47%), drogas e álcool (15%), pobreza (12%), falta de interesse ou indisposição para estudar (11%), conflito entre alunos (6%), tráfico de drogas na região do entorno das escolas (4%), falta de participação da comunidade na escola (3%), falta de estrutura administrativa (3%), desemprego (2%) e outros fatores (15%).
Quase um terço dos professores que responderam a pesquisa (28%) apontaram o debate sobre a violência como principal medida a ser adotada para melhorar a situação. Em seguida, 18% dos entrevistados indicaram a contratação de profissionais de suporte pedagógico, como psicólogos e 16% indicaram os investimentos em cultura e lazer como solução. Para 15%, o policiamento no entorno da escola é um saída.
“A violência nas escolas tornou-se corriqueira. Falta um pouco a presença dos pais de alunos nas escolas e isso é determinante” afirma Maria Izabel. Segundo ela, também faltam professores e funcionários nas escolas.
Para a dirigente, diante dos resultados da pesquisa, a medida mais urgente para combater a violência nas escolas é o reforço no policiamento. “Nas escolas do centro da capital, que têm mais policiamento e maior presença de ronda escolar, os níveis de violência são mais baixos”, disse.
Maria Izabel também afirmou que é preciso reformular a escola pública estadual. “Tem que tornar a escola mais interessante, ou os jovens vão preferir ficar na internet, no laptop ou no celular, em vez de prestar atenção nas aulas. Aí não aprende e depois, quando é cobrado, vai pra cima do professor”, disse.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…