Pular para o conteúdo principal

A questão da saída para o mar da Bolívia

Por Marco Antonio L.
Cansado de enfatizar a necessidade de um diálogo com o Chile para resolver de maneira bilateral o tema de uma saída soberana ao mar, o governo boliviano decidiu apresentar uma demanda ante a Corte Internacional de Justiça de Haia, na Holanda.
A determinação foi o fruto de uma política muito bem meditada do Executivo, com reiterações constantes de que apelaria a tribunais internacionais caso não prosperassem os chamados às conversas entre os dois países vizinhos.
Em 14 de fevereiro, com motivo das celebrações pelo Dia do Mar, o presidente Evo Morales advertiu que a Bolívia jamais cederia em suas intenções de voltar ao oceano Pacífico com soberania, ainda que também não tenha fechado a porta a um diálogo sobre o tema com o governo de Sebastián Piñera.
Nessa data comemorou-se o 134° aniversário da invasão chilena de 1879, depois da qual Bolívia perdeu 120 mil quilômetros de territórios ricos em minerais, sobretudo em cobre, e 400 quilômetros de costa ao referido oceano.
Morales deixou claro que seu governo está disposto a ir à mesa de negociações, apesar de que o "Chile tem vontade contrária e tem evitado dialogar e apresentar uma proposta concreta que permita negociar uma saída soberana ao mar".
"Até agora o governo chileno tem mantido uma atitude soberba, de um país que vive no passado", destacou o primeiro indígena chefe de Estado na história da Bolívia, quem se nega a aceitar que o Tratado de 1904 seja inegociável.
Morales voltou, então, a pôr o exemplo do Canal do Panamá, entregue à perpetuidade pelos panamenhos aos Estados Unidos e devolvido ao país do istmo depois dos acordos Torrijos-Carter (pelo nome dos então presidentes Omar Torrijos e James Carter).
"Bolívia nasceu à República com acesso livre e soberano ao oceano Pacífico e no Tratado de Limites de 10 de agosto de 1876 reconheceram-se os limites", pontuou que "o expansionismo de Chile se iniciou com a invasão de 14 de fevereiro de 1879 ao porto boliviano de Antofagasta".
A demanda
Uma vez que tomou a determinação de apresentar uma moção ante o Chile em Haia, o Executivo nomeou ao ex-presidente Eduardo Rodríguez Veltzé como embaixador a cargo da mesma.
Rodríguez Veltzé e o chanceler David Choquehuanca encabeçaram a delegação boliviana até a referida cidade holandesa, para apresentar a demanda marítima no dia 24 de abril, o primeiro reclamo deste tipo na história de Bolívia.
Depois de entregar os documentos para iniciar o litígio, Choquehuanca declarou a vontade da Bolívia de continuar o diálogo com o país vizinho.
Ao mesmo tempo, explicou que "a demanda foi elaborada durante mais de dois anos de trabalho pela Direção de Reivindicação Marítima, com a participação de autoridades, organizações da sociedade civil, especialistas bolivianos, contando com o concurso de especialistas do direito internacional", destacou. A queixa pede "à Corte Internacional de Justiça declare que o Chile tem a obrigação de negociar de boa fé com a Bolívia um acordo cedo e efetivo que lhe outorgue uma saída plenamente soberana ao oceano Pacífico".
"Esta solicitação não se baseia no Tratado de 1904. A Bolívia, em conformidade com as normas do direito internacional, esclarece que a presente demanda não é um ato inamistoso contra o Chile, e só procura encontrar uma saída definitiva a um centenário problema hemisférico".
Choquehuanca aclarou que "a Bolívia vai a esta via depois de esgotar todos os meios de diálogo e devido às constantes dilações dos governos chilenos".
Por outra parte, enfatiza que "a Bolívia, como país pacifista, cifra sua confiança na Corte Internacional de Justiça, à que reconhece como o mais alto tribunal estabelecido pela humanidade para a solução pacífica das controvérsias entre estados".
"Bolívia, convencida de que a paz, a amizade, a boa vizinhança e a complementariedade devem primar entre as nações, faz conhecer com dignidade, humildade e espírito integracionista sua decisão a toda a comunidade internacional a fim de que acompanhe nesta demanda o direito e a justiça que procura estabelecer".
Chile mantém sua posição
O governo chileno não demorou em manifestar que a demanda boliviana carece de objetividade, e o próprio presidente, Sebastián Piñera, deixou claro que o país do altiplano não terá uma saída ao Pacífico, tal como pretende.
Entre outras medidas, Piñera designou o embaixador nos Estados Unidos, Felipe Bulnes, como agente do país ante a Corte Internacional de Justiça para enfrentar a demanda marítima apresentada pela Bolívia.
Bulnes, com experiência como ministro de Justiça, terá que se apresentar no próximo dia 12 de junho ante o referido tribunal internacional para conhecer os prazos da Bolívia, que apresentará a chamada memória.
No entanto, movimentos sociais, estudantes e dirigentes políticos chilenos respaldam a demanda boliviana, a qual consideram justa e bem fundamentada, sobretudo porque reconhecem que seu país se apropriou de uma parte importante do território vizinho.
A querela boliviana, no entanto, acaba de começar e os procedimentos seguintes podem demorar de quatro a cinco anos, depois do que a referida Corte pedirá ao Chile que negocie com Bolívia.

Segundo analistas, a Corte de Haia não pode obrigar o Chile a nada, e só instar que se sente a dialogar para resolver de uma vez por todas o centenário conflito, e o pedido da Bolívia de ter uma saída ao Pacífico com soberania.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…