Pular para o conteúdo principal

A disputa entre Barbosa e Gurgel

Por Bepe Damasco

Os dois parecem disputar uma competição particular tendo como palco a arena da República Federativa do Brasil. Ganha quem fizer mais pontos nas modalidades cerceamento de direito de defesa, atropelo dos regimentos do STF e da PGR, moralismo seletivo, linchamento de réus, arrogância, prevaricação, autoritarismo, violação do direito penal, ataque à harmonia entre os poderes e afronta à Constituição. Até o momento, no entanto, essa contenda antirrepublicana registra empate. E, pelo "poder de fogo" apresentado pelos competidores, tudo leva a crer que o jogo chegue ao fim sem ganhadores. Afinal, eles se merecem e se equivalem. É mais fácil, porém, apontar o perdedor : o sistema de garantias individuais, um dos pilares do Estado Democrático de Direito.
Nos últimos dias, o peso pesado que ocupa a PGR e o Torquemada do Judiciário brasileiro cometeram verdadeiros atentados contra a consciência jurídica do país. Enquanto o sósia do Jô Soares (sósia de corpo e alma) devolvia ao STF todos os embargos declaratórios, recomendando uma até então inédita rejeição a granel, o vingador do PIG e relator da Ação Penal 470 violava o direito dos réus e se manifestava contra o acolhimento dos embargos infringentes.
Que se dane o regimento do Supremo. Às favas com uma prerrogativa líquida e certa da defesa de todos os acusados que obtiveram, pelo menos, quatro votos pela absolvição. Mesmo sabendo que será derrotado no plenário nessa questão, Barbosa não hesita em jogar para a platéia e agradar seu aliados da mídia monopolista de direita.
No fundo, Barbosa e Gurgel tremem de medo de que um reexame sério do processo os leve à desmoralização pública. Num outro julgamento pode não bastar a cumplicidade canina do PIG. E se vier à tona a farta documentação provando que todo o dinheiro que eles dizem ter sido desviado foi efetivamente gasto nas campanhas promocionais da bandeira Visa no Brasil ?
Vai que fique claro que alguns condenados por corrupção ativa não poderiam ser alcançados pelo aumento de pena previsto na nova lei, já que são acusados de terem cometido esse tipo de crime em período anterior à mudança da legislação. E se forem levadas em conta as mais de 600 testemunhas que nunca ouviram falar de compra de votos no Congresso Nacional ?
É possível ainda que as perícias do Banco do Brasil atestando não haver quaisquer irregularidades na gestão do Fundo Visanet sejam finalmente enxergadas pelos ministros. Quem sabe também vossas excelências togadas se rendam ao caráter legal dos empréstimos concedidos ao PT, conforme atesta a Polícia Federal. A aprovação das contas do PT pelo Tribunal Superior Eleitoral, exatamente nos anos em que o partido é acusado de falcatruas, de repente pode ter o valor de prova que merece.
É disso tudo que a dupla tem medo. Daí a pressa em virar a página do julgamento. Em encarcerar condenados, atropelando prazos, regimentos e direito a recursos. Quem não se lembra da manobra vil do procurador-geral, que, às vésperas do Natal, esperou o STF sair de recesso para pedir a prisão dos réus, contanto com uma decisão monocrática favorável de Barbosa. De tão absurdo, o pedido acabou negado pelo relator ?
Mas a verdade vem aí. Mais cedo ou mais tarde. Como diz o deputado Genoíno, para os marxistas, a verdade é revolucionária, e para os não marxistas, ela é libertadora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…