Pular para o conteúdo principal

Um modelo de transição ao socialismo

Por Ion de Andrade
O livro, "A hipótese da Revolução Progressiva", disponível na Livraria Cultura propõe um modelo original de transição ao socialismo.
O modelo atribui uma cronologia entre o Estado restrito e o Estado ampliado, o primeiro precedendo o segundo, superando a posição gramsciana, de natureza mais tipológica, onde convive um Estado oriental restrito e um Estado ocidental ampliado sem uma alusão explícita à "cronologia".
A ampliação do Estado, que se confunde com o próprio processo revolucionário, está centrada na emancipação do proletariado: Quanto mais emancipação mais democracia e menos Estado, o que devolve a autoria do processo ao próprio proletariado, "retirando-o" das mãos das vanguardas políticas. O modelo percebe que o proletariado emancipado é o cidadão, entendido como a expressão superestrutural do próprio proletariado estrutural que a precede historicamente, só há cidadania em sociedades onde a visão de mundo do proletariado está consolidada. Tal cidadania é gerada tanto pela emancipação do proletariado quanto pela desagregação ideológica da burguesia.
A via proposta se encontra com a prática das teologias e pedagogias emancipatórias que enxergam também no processo de libertação do homem a centralidade de uma história na qual devem ser autores e se inspira de transição oposta, a que marcou a entrada da humanidade na sociedade de classes através do modo de produção asiático, entendido como o modo de produção que abrigou, numa cronologia explicitada por Engels no Anti-Duhring, a última sociedade sem classes, ainda influenciada pelo socialismo primitivo e a primeira sociedade de classes. Idenifica assim uma simetria invertida entre o modo de produção asiático e o capitalismo, percebendo que no primeiro a democracia precedeu o despotismo, enquanto no segundo, movido pelas lutas populares e pela ação da cidadania, o despotismo burguês precedeu a ampliação do Estado e a adoção de uma democracia política, (limitada), como forma de governo.
O Estado de direito é percebido como o Estado de transição rumo a algo que é denominado Estado cidadão que nada mais é do que o Estado de direito despojado dos limitantes burgueses, um ente público que se desestatiza enquanto a democracia vai se realizando plenamente. Com isto a figura da ditadura do proletariado se torna obsoleta e a proposta revolucionária acede a uma ética mais inteira, pois já não há objetivos e finalidades que se choquem com os meios empregados na política.
Emancipação e democracia formam um todo inseparável onde um vai ampliando e viabilizando o outro, um processo em espiral que conduz a mais cidadania e a mais democracia e que transborda também para uma capacidade crescente da cidadania de interferir soberanamente nos meios de produção, não obrigatoriamente para estatizá-lo, mas para curvá-lo às necessidades e interesses das maiorias, fazendo chegar à economia a democracia que vai fundando na política.
O modelo é original frente ao modelo social democrata por força de colocar no centro do tabuleiro não o bem estar social, mas a emancipação do proletariado, se diferencia também do modelo Gramsciano por entender que as lutas de hegemonia na Sociedade Civil não "precedem" a tomada da Sociedade Política, mas se confundem com a própria tomada capilar do poder pelo proletariado, tornando a ditadura do proletariado ou o dito "Estado gendarme guarda noturno" - a organização coercitiva que, segundo Gramsci, (GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere: Maquiavel: notas sobre o Estado e a Politica, Edição Carlos Nelson Coutinho com marco Aurélio Nogueira e Luiz Sérgio Henriques, Editora Civilização Brasileira, 2011.p.245), "protegerá os elementos de Sociedade Regulada em contínuo incremento" - obsoleta. As crises de hegemonia e as rupturas sociais podem emergir, mas encontrarão no proletariado e na cidadania a força política resoluta a defender o Estado de direito frente a uma burguesia que tende a tentar fascistizar o Estado à medida que vai perdendo influência e poder.
Finalmente por este enfoque a formulação permite constatar que a classe vitoriosa nos enfrentamentos do século XX foi o proletariado, pois o Estado de direito que criou ganhou o mundo, num processo de ampliação de Estados restritos que provou ser de fato a tendência histórica central a atravessar a contemporaneidade e cujo motor e o propósito devem ser mais e mais democracia e mais e mais emancipação, processo que transborda para a estrutura econômica construindo o socialismo em meio a uma democracia política completa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…