Pular para o conteúdo principal

O estresse dos professores das faculdades particulares

Por Redação da Rede Brasil Atual
Nas faculdades particulares, 88% dos professores estão estressados.
Pesquisa da Unicamp realizada em instituições privadas de Campinas mostram ainda que 76% têm a vida pessoal afetada pelo trabalho e 52% tem doenças físicas e psicológicas.
São Paulo – Pesquisa inédita da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) realizada em instituições privadas de ensino superior daquela cidade revelou que 88% dos professores estão estressados; 76% têm a vida pessoal prejudicada pelo excesso de trabalho, com menos tempo para a família, os amigos e o lazer; 52% temem o desemprego e por isso muitos trabalham em mais de uma escola; e 52% têm doenças físicas e psicológicas, como depressão, síndrome de pânico, insônia e uma arritmia cardíaca que não se confirma quando investigada. E mais da metade deles manifesta problemas de voz, respiratórios e vasculares. Mesmo assim, 68% disseram que não abandonariam a profissão.
“A educação privada está sendo negociada na bolsa de valores, aberta ao capital estrangeiro. Fusões entre instituições educacionais constroem grandes conglomerados, o que reforça o crescimento de uma concepção mercadológica do ensino privado no país. Por isso, a luta do movimento sindical dos professores contra essa mercantilização. Queremos a regulamentação, o fim dessa trajetória de desnacionalização, que representa um tiro no pé”, disse ao Jornal da Unicamp a autora da pesquisa, Liliana Aparecida de Lima, que também é professora de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas e diretora do Sindicato dos Professores de Campinas e Região. Em sua tese, ela contextualiza a expansão do ensino superior privado a partir da política neoliberal de Fernando Henrique Cardoso na década de 1990, com a desregulamentação do setor, a financeirização e a desnacionalização.
Conforme Liliana, o cenário de mercantilização do ensino se manifesta na precarização das condições de trabalho dos professores. “Se o empresário vê o ensino como mercadoria e o aluno como cliente, como vai tratar o professor da instituição de que é proprietário? A precariedade está na contratação de professores sem concurso e nos salários baixos mesmo com titulação. Se o professor se torna mestre ou doutor, também se torna mais caro e é substituído por um horista – há um número mínimo de pós-graduados apenas para atender às exigências do MEC. A rotatividade é enorme”, disse.
Para chegar a tais conclusões, ela enviou questionários com perguntas objetivas e discursivas para a livre manifestação dos entrevistados sobre suas vidas como trabalhadores da educação. Dos 100 enviados, 29 responderam. A maioria dos entrevistados tem em média dez anos de carreira. “Se em uma década temos tais percentuais, o que pode acontecer até a aposentadoria?", questionou.
Para a pesquisadora, o Plano Nacional de Educação (PNE), que tramita na Congresso, é a esperança de mudança desse cenário. Entre as 20 metas a serem cumpridas em dez anos, está a inclusão do ensino superior privado no Sistema Nacional de Educação. Assim, passa a ser regulamentada pelo Estado, inclusive quanto à sua expansão.
Segundo dados de 2011 do Ministério da Educação (MEC), na última década, a expansão de matrículas no ensino superior foi de 110%, sendo de 74,2% na rede privada e de 25,8% no setor público.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…