Pular para o conteúdo principal

Limpeza de Fukushima vai demorar mais de 40 anos, diz agência nuclear

Da Carta Maior
Após vazamentos e invasão de ratos, a Agência Internacional de Energia Atômica pediu para a empresa administradora de Fukushima "melhorar a confiabilidade de sistemas essenciais", crucial para "a integridade estrutural das instalações do local" e "para melhorar a proteção contra perigos externos".
Os operadores da danificada usina nuclear japonesa de Fukushima devem começar a agir conjuntamente e estabilizar os “sistemas essenciais” da usina, afirmou a Agência Internacional de Energia Atômica nesta semana, dizendo que provavelmente levará mais de 40 anos para desativar corretamente o local.
Em foto tirada pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) no dia 17 de abril de 2013, são mostrados membros da Divisão de Tecnologia de Ciclo e Resíduos do Combustível Nuclear da AIEA inspecionando a sala de controle da unidade um e dois prédios de reatores da danificada usina nuclear de Fukushima Dai-chi, em Okuma, província de Fukushima.
As afirmações dispostas pela AIEA foram lançadas apenas algumas horas depois que o operador de Fukushima da Companhia de Energia Elétrica de Tóquio (TEPCO) disse ter desativado o sistema de refrigeração de um reator após descobrir dois ratos mortos próximos de equipamentos cruciais – a terceira vez em cinco semanas que os equipamentos de refrigeração do local haviam sido desligados por causa de roedores.
Além disso, o lugar passou por uma série de incidentes nos meses recentes, incluindo vários vazamentos de água radioativa e interrupções de energia juntamente com a batalha com os sistemas de refrigeração da usina. “Quanto à duração do projeto de desmonte”, disse Juan Carlos Lentijo, da AIEA, “vai ser quase impossível garantir o tempo para o desmonte de uma instalação tão complexa em menos de 30-40 anos, como está atualmente estabelecido em nosso roteiro”.
Comentários de Lentijo foram apresentados juntamente com uma declaração da AIEA divulgada segunda-feira (22), que criticou o desempenho da TEPCO e pediu para a empresa "melhorar a confiabilidade de sistemas essenciais", crucial para "a integridade estrutural das instalações do local" e "para melhorar a proteção contra perigos externos". Na semana passada a AIEA inspecionou a usina danificada e realizou reuniões com funcionários da TEPCO e do governo japonês.
"É esperado que isso ocorra em um local tão complexo, a incidência adicional irá acontecer como nas usinas nucleares em operações normais", disse Lentijo. "É importante ter uma boa capacidade de identificar o mais rapidamente possível as falhas e estabelecer medidas compensatórias ".
A agência Associated Press acrescenta:
Nas últimas semanas, a usina sofreu quase uma dúzia de problemas que vão desde extensos cortes de energia a vazamentos de água altamente radioativa de piscinas subterrâneas. Na segunda-feira (22), a TEPCO teve que parar o sistema de resfriamento de um dos conjuntos de armazenamento de combustível para verificações de segurança depois de encontrar dois ratos mortos dentro de uma caixa de transformador.
No início deste mês, um rato provocou curto-circuito em um quadro de distribuição, causando uma extensa interrupção e perda de resfriamento durante 30 horas. Lentijo disse que a gestão dos recursos hídricos é "provavelmente a tarefa mais desafiadora" para a usina no momento.
Os problemas têm levantado preocupações sobre se a usina, incapacitada pelo terremoto e tsunami de março de 2011, pode ficar intacta ao longo de um processo de desativação. Os problemas levaram autoridades a elaborar medidas de redução de risco e rever planos de desmonte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…