Pular para o conteúdo principal

Cautela e paciência

Por Delfim Netto
O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu por 6 votos a 2, na quarta-feira 17, elevar a taxa Selic para 7,50%, um aumento menor do que se esperava no mercado financeiro. A justificativa é de que era preciso “dar uma resposta” à inflação persistente, ponderando – segundo os termos do comunicado da reunião – “que incertezas internas e, principalmente, externas cercam o cenário prospectivo para a inflação e recomendam que a política monetária seja administrada com cautela”.
Vai ser preciso aguardar a divulgação, na próxima semana, da ata dessa reunião para conhecer mais amplamente as razões que levaram a maioria dos membros do Copom a entender que esse era o momento para sinalizar o início de um aperto monetário como forma de conter as expectativas de alta da inflação. A autoridade monetária tem recomendado paciência e precaução, enquanto procura ter uma visão melhor das incertezas, o que lhe dará conforto para agir diante dos prováveis custos sociais da medida. A justificada cautela tem sido confundida como leniência no combate ao processo inflacionário e, o que é pior, como uma possível falta de apoio político para fazer o que crê que deva ser feito.
Uma leitura mais atenta do último Relatório de Inflação (março 2013) mostra que o Banco Central tem uma visão mais complexa do nosso processo inflacionário e sabe que o seu controle efetivo e definitivo está fora do seu alcance sem o apoio de sólida política fiscal e a aprovação pelo Congresso de medidas que aperfeiçoem as instituições e deem suporte: 1. À superação dos mecanismos protetores de grupos privados com poder de mercado maior do que o razoável; 2. À redução dos benefícios exagerados de que se apropriaram os servidores públicos que controlam Brasília.
É preciso reconhecer que, nos últimos 14 anos, a taxa média de inflação anual foi de 6,36%, namorando o seu limite superior. O fato curioso é que a inflação mesmo tão alta durante tanto tempo foi bem suportada pelo setor financeiro, enquanto a taxa de juro real anual era de 7% ou 8%. Agora, com a taxa de juro real de 2%, ela parece insuportável.
A verdade é que o magnífico plano de estabilização que criou o real nunca entregou o que prometeu: uma inflação civilizada e estável entre 2% a 3% ao ano e a recuperação de um crescimento mais robusto de 5% a 6%. O culpado, obviamente, não foi o plano. Foi a indisposição dos sucessivos governos de prosseguirem a sua execução. A estabilização foi vítima do seu imenso sucesso inicial.
Não é razoável continuar a aceitar pacificamente aquela inflação, ainda mais quando acompanhada de um crescimento médio do PIB da ordem de 2,97%. É importante que se aprofunde a discussão de como reduzi-la, ao mesmo tempo que se aumenta o crescimento econômico. Isso está longe de ser conseguido apenas pela manipulação da taxa de juros real, e o governo reconhece. Seus programas, quando maturarem em dois ou três anos, produzirão importantes efeitos estruturais e um aumento da competitividade.
A consciência da autoridade monetária sobre a complexidade do nosso problema inflacionário é claramente revelada em um apêndice daquele relatório que analisa evidências sobre a relação entre salário e inflação no Brasil, onde se conclui que reajustes salariais acima dos ganhos de produtividade tendem a gerar pressões inflacionárias. Em outras palavras, se desejamos reduzir a inflação sem aumentar o desemprego é preciso moderar os aumentos salariais aos da produtividade do trabalho.
Não é possível descartar a hipótese de que a inflação, potencialmente, retroalimenta a dinâmica dos salários por meio de mecanismos normais e informais de indexação (ainda que, aparentemente, não se tenha feito um teste da direção de causalidade).
Os aumentos salariais incompatíveis com a reposição da inflação e com o crescimento do PIB per capita têm impacto significativo e persistente no comportamento dos preços, particularmente no setor de serviços.
A propagação das pressões inflacionárias oriundas do mercado de trabalho depende da postura da política monetária. Em outros termos, essa deve impedir, pelo aumento da taxa de juro real, a criação de um viés inflacionário.
É tempo de flexibilizarmos o mercado de trabalho sem violar os direitos constitucionais dos trabalhadores, se quisermos ter no longo prazo uma taxa de inflação civilizada e um crescimento mais robusto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…