Pular para o conteúdo principal

A vida pode ser mais velha que a própria Terra

Do Ciência Hoje
A vida poderá ser mais velha que a própria Terra?
Aplicando uma máxima de ciência da computação à biologia emerge uma possibilidade intrigante sobre se a vida existia antes da Terra existir e pode ter originado fora do nosso sistema solar, dizem cientistas.
A Lei de Moore é a observação de que os computadores aumentam exponencialmente em complexidade a uma taxa de cerca de duas vezes os transistores de circuito integrado a cada dois anos. 
Se você aplicar a Lei de Moore para a taxa de complexidade computacional dos últimos anos e trabalhar para trás, você vai voltar para a década de 1960, quando o primeiro microchip era, na verdade, inventado.
Agora, dois geneticistas têm aplicado a Lei de Moore para a taxa na qual a vida na Terra cresce em complexidade - e os resultados sugerem que a vida orgânica veio pela primeira vez à existência muito antes da própria Terra.
Alexei Sharov do Instituto Nacional sobre o Envelhecimento, em Baltimore, e teórico biólogo Richard Gordon do Gulf Specimen Marine Laboratory, na Flórida, usaram a Lei de Moore, substituíram os transistores por nucleotídeos - os blocos de construção de ADN e RNA - e os circuitos com material genético, e fizeram as contas.
Os resultados sugerem que a vida apareceu pela primeira vez há cerca de 10 biliões de anos, muito mais velha do que a idade da Terra, projetada para 4,5 biliões de anos. Assim, mesmo se for matematicamente possível para a vida ter existido antes da Terra, é fisicamente possível? Novamente, Sharov e Gordon disseram que sim. 
Como o nosso sistema solar estava a formar-se, organismos pré-existentes semelhantes a bactérias, ou nucleotídeos mesmo simples de uma parte mais antiga da galáxia, poderiam ter chegado à Terra engatando uma viagem interestelar, em cometas, asteróides ou outros detritos espaciais inorgânicos - um processo teórico chamado de panspermia.
Os cálculos dos cientistas não são prova científica de que a vida antecede a Terra - não há nenhuma maneira de saber com certeza a taxa a que a complexidade orgânica aumentou e mesmo se foi constante em qualquer ponto da história do universo. Trata-se de um exercício de pensamento ou um ensaio, ao invés de uma teoria, disse Sharov.
A ideia de Sharov e Gordon levanta outras possibilidades intrigantes. Por um lado, "a vida antes de terra" desmascara o a ideia da ficção científica das espécies exóticas cientificamente avançadas. Se a complexidade genética avança a um ritmo constante, então o desenvolvimento social e científico de qualquer outra forma de vida alienígena na galáxia Via Láctea seria mais ou menos equivalente ao dos seres humanos.
O estudo de sharov e Gordon traça um paralelo teórico e prático entre a origem da vida e a relação entre vida e conhecimento. A evolução humana não ocorre apenas no genoma, que ocorre epigeneticamente, ou dentro da mente, como a memória de tecnologia, linguagem e cultural todos se tornam mais complexas. "A complexidade funcional de organismos [é] codificada no genoma parcialmente hereditário e parcialmente na mente perecível", explicam no artigo.
Ao aplicar a Lei de Moore - uma teoria originalmente concebida para explicar o desenvolvimento tecnológico - na vida, os geneticistas não estão a simplificar a evolução, eles estão a reconhecer a sua extraordinária complexidade, dizem eles. 
Embora alguns possam ser cético em relação às conclusões de Sharov e Gordon, "a contaminação com esporos de bactérias a partir do espaço parece a hipótese mais plausível que explica o aparecimento precoce da vida na Terra", dizem no artigo, que foi publicado online na revista Arxiv.
Sharov disse que se tivesse que apostar, diria que "é 99% verdade que a vida começou antes da Terra". Orelatório completo está disponível nos arquivos online da Cornell University Library.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…