Pular para o conteúdo principal

Os direitos da mulher na hora do parto

Por Carol Scorce
Deborah Delage diz que mulher não tem autonomia sobre escolhas na gestação e no parto. Maioria das gestantes é levada a optar por cesariana sem que o procedimento seja necessário.
Deborah Delage é militante dos direitos da mulher no parto, causa muito atual no Brasil, País recordista mundial em cesarianas. De acordo com o Ministério da Saúde, 43% dos partos são cesarianas. A recomendação da Organização Mundial da Saúde é que essa porcentagem não ultrapasse os 15%. Na rede médica privada, o percentual é maior ainda: cerca de 80% dos partos feitos por convênios ou particulares são cesarianas. Deborah é cirurgiã dentista por formação e se especializou em saúde pública. Quando engravidou da primeira filha, descobriu que a mulher não tem autonomia sobre as escolhas na gestação e no parto. Ela concedeu a seguinte entrevista ao ABCD MAIOR.
Quais direitos são retirados da mulher na hora do parto?
DEBORAH DELAGE - São muitos. No setor público, não se cumpre o direito ao acompanhante. Há exceções, mas na maior parte dos hospitais essa lei não é cumprida. Mas os direitos que são retirados geralmente não são sentidos pela mulher, porque já se formou uma cultura em que tudo é feito para beneficiar os procedimentos médicos, facilitar o trabalho da equipe, e muitas dessas intervenções agregam risco para a mãe e para o bebê. O remédio usado para induzir o parto, por exemplo, faz com que a gestante tenha dores fortíssimas, muito maiores dos que durante o trabalho de parto normal, e a gestante não é questionada se quer ter o trabalho de parto naturalmente ou não. Durante o trabalho de parto, a mulher é impedida de se movimentar, sendo que estudos apontam que ela se movimentar melhora as dores e estimula naturalmente o parto.
E por que é feito dessa maneira?
Porque esses procedimentos são mais práticos para a equipe envolvida no parto. No caso da cesária, por exemplo, são feitas em maior número não porque são mais caras, porque o médico ganha mais com elas, porque o parto natural é praticamente o mesmo valor, mas para o médico não é conveniente desmarcar um dia inteiro de consultas para acompanhar uma mulher em trabalho de parto um dia inteiro. Sem contar que o hospital lucra mais com a cesária: envolve mais profissionais, a mulher fica internada mais dias, tem o soro, a internação do bebê.
E na rede pública?
Na rede pública temos problemas como o quarto coletivo. A mulher fica numa maca, sem nenhuma privacidade, tem de ficar deitada o tempo todo, o que aumenta muito mais a dor. No caso dos hospitais-escola, muitas vezes estudantes examinam a gestante sem nenhum aviso prévio, e na sequência. Ou seja, vários alunos colocam o braço dentro da mulher sem o consentimento dela. Outro procedimento muito comum é a episiotomia, que é o corte feito na vagina. As gestantes acreditam que é feito para ajudar na retirada do bebê, quando na verdade é feito somente para ajudar na visualização do médico. Não é necessário e é contraindicado, porque rompe fibras na região da vagina e traz consequência na vida sexual da mulher. Isso é uma lesão corporal grave, que é feita também sem consentimento.
A senhora acredita que a mulher acha comum esse tipo de agressão?
Não há informação. Esses procedimentos são introduzidos de modo muito sutil. O médico não diz na primeira consulta que não vai acompanhar a gestante em um parto natural. Ao longo do pré-natal a mulher é induzida a acreditar que aquilo é o melhor para ela.
A Fundação Perseu Abramo fez uma pesquisa com quatro mil mulheres listando vários procedimentos, e 25% delas reconheceram que sofreram algum tipo de agressão durante o parto. Há um conflito de interesses, em cuidar das pessoas e lucrar com o cuidado das pessoas. A mulher é levada a crer que não tem opção, e o que fazemos é mostrar que tem autonomia sobre a sua gestação. Propomos discussões onde a mulher tem de ser a protagonista desse processo, de maneira que ela seja amparada para poder fazer a melhor escolha.
O que é a maternidade ativa?
Maternidade e gestão ativa são aquelas em que a mulher pode optar pelo modo como quer que o seu parto aconteça, fazendo escolhas baseadas em evidências. É o resgate do protagonismo da mulher nas escolhas do ciclo de gestação. Também apoiamos mulheres em busca de respostas baseadas em evidências e boas práticas para tudo que se relaciona à saúde e o bem-estar da dupla mãe-bebê. Defendemos escolhas informadas por evidências científicas no parto, criação com apego, aleitamento exclusivo até seis meses de vida e prolongado até 2 ou mais anos de idade, segundo recomendações da Organização Mundial de Saúde.
E o que são as escolhas baseadas em evidências?
É um conceito da década de 1980, na qual não se deve fazer escolha terapêutica sem que haja comprovada necessidade do uso dela como fundamental para o paciente, no caso a mãe. É por não fazer uso desse conceito que praticamente 100% dos partos na rede privada e 70% na rede pública são cesarianas. As mulheres são levadas a optar por uma cesariana sem que seja necessária para elas e para o bebê, mas por ser conveniente ao médico, ao hospital e a outros profissionais da saúde.
O que é o MaternaMente?
A ação concreta do grupo existe há três anos e meio.  Faz aniversário de quatro anos em agosto. Somos um grupo de profissionais da saúde que debate e estimula para que as mulheres tenham uma maternidade ativa. Temos um blog, onde divulgamos artigos, informativos, ideias, e mensalmente fazemos encontros para o debate. Nos juntamos também a outros movimentos de mulheres em palestras, passeatas, atos, e prestamos assessoria para a formulação de políticas públicas a partir dos debates.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…