Pular para o conteúdo principal

Motivos para ter muito medo de drones

Por John Horgan
Pequenos robôs-inseto onipresentes e letais são apresentados como solução para segurança.
Os drones, assim denominados pelos americanos, são a última coisa em sua lista de temores? Robôs voadores letais parecem coisas que paquistaneses, afegãos e outros habitantes de terras distantes precisam temer, mas americanos, não? Deixe-me dar-lhe algumas razões para americanos se preocuparem. A maior parte desse material – e muito mais – pode ser encontrada em “The Drones Come Home” [“Os Drones Voltam Para Casa”, literalmente], meu artigo para a edição de março da revista National Geographic.
 A administração Obama prometeu diminuir restrições da Administração Federal de Aviação, até 2015, para tornar a utilização de drones mais fácil por parte das 18 mil agências fiscalização e punição para fins de vigilância, entre outros usos.
De acordo com um relatório no New York Times de 16 de fevereiro, o Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos também ofereceu apoio financeiro para ajudar departamentos de polícia a adquirir drones, que estão “se tornando os queridinhos das autoridades da lei de todo o país”.
A Agência de Projetos Avançados de Defesa está financiando pesquisas com “micro-drones” parecidos com mariposas, beija-flores, e outras criaturinhas voadoras que, dessa forma, podem “estar disfarçados a olhos vistos” como me disse um pesquisador da Força Aérea.
A Força Aérea atualmente está testando micro-drones em instalações como o “micro-aviário” na Base Wright-Patterson da Força Aérea em Dayton, Ohio.
Esses micro-drones poderiam carregar armas.
A Força Aérea produziu uma animação extraordinariamente assustadora [link: http://migre.me/djZWK ] exaltando possíveis aplicações dos “Micro Veículos Aéreos” [MAV, em inglês].
O narrador elogia os “discretos, onipresentes, letais”  enquanto o vídeo mostra drones alados saindo da barriga de um avião e descendo sobre uma cidade, onde perseguem e matam um suspeito.
As forças armadas dos Estados Unidos já utilizaram um drone, chamado de “Switchblade”, que tem asas dobráveis e pode ser guardado em um tubo pouco maior que um pão italiano. O Switchblade carrega uma carga do tamanho de uma granada.
O governo Obama compilou silenciosamente argumentos legais para assassinatos sem julgamento de cidadãos americanos, como relatado recentemente pela NBC News.
A administração já executou o assassinato por drone de pelo menos dois cidadãos americanos, os supostos militantes muçulmanos Anwar al-Awlaki e Samir Khan, mortos no Iêmen em 2011.

O entusiasmo dos Estados Unidos por drones disparou uma corrida armamentista internacional.
Mais de 50 outras nações já têm a tecnologia, bem como grupos militantes não-governamentais, como o Hezbollah.
Oficiais de segurança dos Estados Unidos estão tão preocupados com a ameaça de terrorismo com drones que já executaram simulações de ataques em um programa chamado “Black Dart”.
Empresas de defesa como a Procerus Technologies agora desenvolvem um software que permitirá que drones rastreiem e destruam outros drones.
Estamos diante de um evento de especiação tecnológica que poderia trazer mais mal do que bem. Devemos nos manter informados para garantir que drones sejam lançados para fins benéficos, e não insidiosos.
John Horgan é professor do Stevens Institute of Technology e autor de 4 livros, entre os quais The End of Science (Addison Wesley, 1996) and The End of War (McSweeney`s, 2012). 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…