Pular para o conteúdo principal

João Goulart, uma pequena história

Por Hélvio Rech
Nesta semana estive em São Borja, Rio Grande do Sul, a terra dos presidentes. 
Visitei a casa onde JANGO viveu desde os nove anos e sua adolescência. Hoje a casa foi restaurada e transformada em Museu. Abriga algumas peças de uso do ex-presidente, documentos pessoas e da família, além de um bom acervo fotográfico.
No final do dia fui "matear" com um velho “galdério bonacho” quase octagenário que conviveu com o Jango. Era muito amigo do gerente de Jango na empresa de compra e venda de gado. Esteve com Goulart em muitas ocasiões. Também conhecia as fazendas de Jango em Taquarembó, Uruguai e Mercedes, Argentina.
Ele esteve presente no velório de João Goulart em São Borja. Seu relato é bastante interessante. Perguntei-lhe qual sua opinião sobre Getúlio e Jango, dado sua convivência com os ex-presidentes, e em sua opinião qual deles era mais preparado e sua resposta foi direta: Getúlio foi um estadista.
Afirma que Jango foi assassinado. Nos dias que antecederam sua morte, ele encontrava-se bem disposto em sua fazenda em Taquarembó. Mas é sabido que o governo uruguaio que o tinha recebido após sua deposição pelo militares brasileiros, tinha sido derrubado com a implantação da ditadura me que nos últimos três anos ela havia fixado sua residência na Argentina de Peron.
Com a morte de Peron e o golpe militar, a Argentina não tinha mais disposição de continuar concedendo asilo político a Jango. Há relatos, que devido o longo período no exilo e com o cerco dos militares argentinos, João Goulart estava negociando seu retorno ao Brasil. Foi neste ambiente que ocorreu sua morte e que surpreendeu a muitos dadas as circunstâncias.
De Taquarembó, Jango se deslocou de lancha até a Argentina, em sua fazenda em Mercedes. Durante a noite deste mesmo dia teve um ataque fulminante e veio a falecer. Dai em diante uma série de circunstâncias são poucas explicadas, como a demora na chegada do médico e a negação do médico em dar o atestado de óbito (aliás, o primeiro médico se negou a tocar no corpo do ex-presidente). Diz que o médico que atestou sua morte nunca mais apareceu. Corre uma lenda de que, ainda na Argentina, havia sido retirada todas as vísceras e em seguida o corpo havia sido embalsamado. O corpo veio da Argentina através de Uruguaiana escoltado por militares. Lembremos que nesse período havia forte integração entre as ditaduras no Brasil, Uruguai, Argentina e Chile, na famosa Operação Condor.
Em São Borja os militares não permitiam que a população desse seu último adeus. Na longa fila de despedida, os militares rudemente falavam: olhe e vai andando, e em seguida empurravam as pessoas, uma a uma. Ninguém podia chegar perto, permanecer por alguns minutos, e muito menos, tocar no caixão.
Certa ocasião observou-se uma secreção nas narinas de Jango. O médico e familiares queriam analisar, mas os militares não deram autorização para abrir o caixão, nem tocar no corpo. Familiares argumentavam que o procedimento poderia ser feito facilmente, bastando deslocar o corpo alguns metros até a sacristia, na própria igreja e em seguida retornar ao local do velório. Os militares reafirmaram que ninguém estava autorizado a tocar no corpo.
No entanto, foi observado algodão nas fossas nasais, indicando que o caixão poderia ter sido aberto para análise do médico, ou pelo menos, teriam sido aberto a "viseira" de vidro que mostrava a face do presidente deposto.
Alguns meses atrás o médico foi ouvido pela Comissão da Verdade. Depois disso, algumas manifestações na mídia de que a morte do Presidente Jango poderia ser investigada. O Brasil precisa saber da verdade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…