Pular para o conteúdo principal

"Chávez era um de nós", afirma o filósofo Slavoj Žižek

Por Natália Otto, Do Sul 21
O filósofo esloveno Slavoj Žižek sentou-se frente a uma plateia lotada na Câmara Municipal de Porto Alegre minutos após o anúncio da morte do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, na noite de terça-feira (5). A fala de um dos maiores teóricos da esquerda contemporânea não poderia começar diferente: “Chávez era um de nós, independente do que se queira dizer sobre ele”, afirmou, enquanto o burburinho da notícia percorria a plateia.
“Todo mundo gosta de simpatizar com favelas, de fazer caridade. Caridade é o que existe de mais fashion no novo capitalismo global. Faz as pessoas se sentirem bem e, ao mesmo tempo, despolitiza a situação”, prosseguiu Žižek. “Todos querem fazer caridade, mas nem todos querem incluir a favela na política. Chávez viu que não incluir todos os excluídos significa viver em uma permanente guerra civil. Por isso ele viverá para sempre, acho”, sentenciou o teórico.
Nascido em Liubliana, na Eslovênia, em 1949, Žižek é considerado um dos principais nomes da teoria crítica na atualidade. Com mais de sessenta obras publicadas, o filósofo veio ao Brasil para lançar seu último livro, Menos Que Nada: Hegel e a sombra do materialismo histórico, pela editora Boitempo, que promoveu o evento.
Em uma fala inquieta e bem humorada, com espaço para longas digressões e até piadas, Žižek falou durante quase duas horas sobre os rumos – ou a falta deles – dos movimentos de esquerda contemporâneos.
Chávez e o perigo do “oportunismo de princípios”
“Sempre tento ser um pessimista. Tento resistir a esse entusiasmo estilo ‘ah meu Deus, Chávez!’”, afirmou Žižek durante a breve entrevista coletiva que concedeu antes da palestra. Perguntado sobre os governos de esquerda da América Latina, e ainda sem saber da notícia da morte de Chávez, contou que, para ele, o problema principal é sempre de ordem econômica. “Nesse sentido, acho que talvez Chávez tenha sorte demais. Os amigos dele me dizem que ele não resolve problemas, ele pode se dar ao luxo de injetar dinheiro aonde queira”, explicou.
“Acho que o maior serviço que alguém pode prestar a todos esses movimentos de esquerda, como na América Latina, é, neste momento, sermos críticos e realistas.
Para ser um utópico você precisa ser realista, senão você acaba se tornando um oportunista de princípios”, disse Žižek. E explicou: “É muito fácil não fazer nada politicamente, dizendo que não quero sujar minhas mãos, que sou fiel aos meus princípios, e ainda pensar ‘que maravilha, não traí meus ideais’. Mas essa é a tragédia da esquerda radical”, lamentou.
No momento em que o filósofo acabou sua fala sobre a América Latina, foi avisado de que Chávez havia falecido. “Bom, agora é a hora de sermos menos críticos”, reiterou. “A luta continua.”
Indecisão e falta de rumo marcam ações da esquerda e das elites dominantes
“As pessoas não sabem o que querem” foi quase um lema repetido por Žižek ao longo de toda sua fala. Para ele, nem as elites dominantes, a esquerda radical, os imperialistas, os manifestantes da Primavera Árabe e de Wall Street, ou mesmo os teóricos – nenhuma dessas pessoas tem ideia clara do que busca ou que está acontecendo com o mundo.
“A lição que tiramos de experiências como as da América Latina é que ainda não temos um novo modelo. O século XX acabou, o comunismo não funcionou, a social democracia e o estado de bem estar social funcionaram bem enquanto duraram, mas estão desaparecendo”, pontuou ele.
Apesar da atual falta de rumo da sociedade, o filósofo afirmou que não é suficiente dizer que vivemos em uma crise do capitalismo. Na China e na Coreia, ele lembrou, a economia prospera, assim como na maioria dos países subdesenvolvidos. “A crise existe apenas na Europa e ainda um pouco nos Estados Unidos”, afirmou.
Žižek apontou a crise financeira de 2008 como um exemplo que prova que nem mesmo as elites têm controle sobre a sociedade. “Os marxistas têm essa antiga paranoia de que há um centro imperialista, um grupo de pessoas que se encontra de dois em dois meses em algum lugar entre Washington e Wall Street para tomar todas as decisões”, brincou. “Seria até bom se houvesse um centro assim. Quanto mais eu vejo, mais percebo que isso não existe, e que eles (elites) não sabem o que estão fazendo”.
Ele falou sobre os movimentos sociais como o Occupy Wall Street, em que “pessoas protestam contra injustiça, querem democracia, sentem que o presente sistema econômico é injusto, mas nunca fica claro para onde elas estão se movendo”, explicou. Ainda assim, a postura de Žižek não é a de descartar esses movimentos, acentuando ser crucial evitar tanto o pragmatismo político quanto o “oportunismo de princípios” no momento da ação. “Não devemos pensar que temos problemas concretos para resolver, como o racismo, então podemos deixar a batalha ideológica totalmente de lado. Por outro lado, e acima de tudo, precisamos evitar oportunismos como dizer que o grande problema é o capitalismo e ficar sentados, esperando a grande revolução que nunca acontece”, afirmou.
“O que conseguimos com uma modernidade alternativa é o capitalismo alternativo”
No contexto em que a esquerda não sabe o que quer, Žižek utiliza a filosofia do alemão G.F.W. Hegel para afirmar que, de fato, é impossível compreender por completo os rumos do futuro. “Hegel proíbe a especulação do futuro. Para ele, podemos apenas prever a abertura do futuro”, explicou o teórico. “Ele fala sobre a alienação da nossa vida, em que o processo é tão aberto que, quando você faz algo, não pode incluir no que você está fazendo as consequências da própria ação”.
O filósofo também falou sobre questões de eurocentrismo e multiculturalismo. Žižek citou o conceito de “modernidades alternativas”, que sugere uma ideia que é possível pensar uma modernidade para países em desenvolvimento, pós-coloniais, que não seja eurocêntrica. “O que conseguimos com a modernidade alternativa é o capitalismo alternativo”, afirmou ele.
“Acho que essa é uma tese muito perigosa. O marxismo compreende que há certos antagonismos que são inerentes ao capitalismo. A teoria da modernidade alternativa pensa esses antagonismos como se eles não pertencessem ao capitalismo em si, e sim a alguns tipos de capitalismo”, explicou. “O capitalismo é um fenômeno global, um sistema que pode funcionar em qualquer civilização. Devemos rejeitar essa ideia de um relativismo do capitalismo, pois ele é multicultural”, pontuou o filósofo.
Žižek afirmou que mesmo o imperialismo colonial foi multicultural, e usou como exemplo a colonização britânica na Índia, que teria reintroduzido o sistema de castas no país – depois tido pelos indianos como um traço cultural seu e, portanto, fazendo com que sua manutenção ganhasse a aparência de um ato anticolonialista. “Em um processo dialético, você perde alguma coisa, mas o que você perde não precede a perda. Você perde algo e retroativamente o sonho de ter o que você perdeu emerge”, explicou Žižek.
A crise na Europa e a “ameaça liberal”
Sobre a recente crise na Europa e a decorrente ascensão do nazifascismo na região, em especial na Grécia, o filósofo afirmou que “o que está acontecendo na Europa não é um fenômeno mundial, e sim algo muito particular”. Para ele, estes grupos que buscam proteger o legado europeu são a verdadeira ameaça da região. “Há coisas no legado europeu pelas quais vale a pena lutar, como o estado de bem estar social, mas não é isso que está ocorrendo”, lamentou.
Ainda assim, Žižek lembrou do perigo de que a retórica contrária aos grupos nazifascistas consiga unir os liberais e os esquerdistas. “Eu não ficaria muito fascinado com esse perigo do novo fundamentalismo. É uma ameaça liberal, como se eles dissessem ‘esqueça as suas ideologias, temos um mesmo inimigo’, e não é tão simples assim”, explicou.
“Precisamos lembrar que são as dinâmicas do capitalismo global que geram o fundamentalismo”, ressaltou Žižek. “Então há um limite na interação entre os esquerdistas e os liberais na luta contra o fundamentalismo. Temos que permanecer esquerdistas como princípio”, pontuou.
Žižek, que diz de si mesmo não ser um “otimista fácil”, voltou à Hegel para finalizar sua fala pedindo que a esquerda não se deixe carregar “no trem da história”, aguardando passivamente um progresso futuro. “Se o capitalismo seguir no rumo em que está indo, vamos acabar com uma sociedade na qual eu não gostaria de viver”, alertou o filósofo. “Na Eslovênia, costumamos dizer que sempre há uma luz no final do túnel. E essa luz é, geralmente, o farol de um outro trem vindo na nossa direção”, sentenciou ele.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…