Pular para o conteúdo principal

As malandragens da Starbucks

Por Paulo Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo
A Starbucks é uma típica empresa da era moderna. A razão: ela encontrou uma série de manobras para reduzir ao mínimo os impostos a pagar. É o que se poderia definir como legalidade amoral e cínica.
A rede mundial de cafés está nas manchetes dos sites da Inglaterra. Isso depois que a Reuters trouxe à luz a relação da Starbucks com o fisco britânico.
Desde 1998, quando chegou ao mercado do Reino Unido, a Starbucks faturou, nele, 3 bilhões de libras. Uns 9 bilhões de reais. O total de impostos pagos, no período, ficou em 8,6 milhões de libras. Isso quer dizer cerca de 0,3%.
É insignificante, naturalmente. Mas é provável que essa contribuição se torne ainda mais risível. Nos últimos três anos, a Starbucks britânica não pagou simplesmente nada de imposto.
Como nota a Reuters, a companhia diz uma coisa ao mercado e outra ao fisco. Ao mercado, diz que é lucrativa. Ao fisco, que é deficitária. Na verdade, ela é lucrativa – mas uma engenharia fiscal sofisticada leva a Starbucks a uma situação de extremo conforto fiscal.
Para uma empresa que se declara um bastião da ética, é um paradoxo. Balzac escreveu que o melhor roubo é aquele que se dá dentro da legalidade, e é exatamente este o caso da Starbucks – e de tantas outras grandes corporações multinacionais.
Nos últimos meses, no esforço de compreender a enorme concentração de renda no mundo, os balanços de grandes corporações foram estudados por especialistas em tributação em vários países.
O que se viu foi uma profusão de fórmulas para escapar – legalmente – da taxa justa de impostos. O Senado americano estudou, particularmente, as grandes empresas de tecnologia, com resultados chocantes.
Google? Paga muito menos do que deveria. Apple? Também. Microsoft? Também. Hewlett Packard? Também. A esperteza, é claro, não está confinada à área de tecnologia, como mostra o caso da Starbucks.
A estratégia mais comum é ter um escritório num paraíso fiscal e concentrar nele as declarações de renda. A Apple e a Microsoft, por exemplo, mantêm escritórios em Nevada, onde o imposto corporativo é irrelevante. Mas há muitas outras manobras.

As empresas se defendem dizendo duas coisas, essencialmente. Primeiro, que estão dentro da mais absoluta legalidade. Depois, que existe aí uma questão de competitividade.
As duas coisas são, a rigor, verdadeiras. Departamentos de contabilidade criativos encontram brechas legais para diminuir a carga de impostos. E do ponto de vista da competitividade, se uma grande empresa paga a taxa justa e sua concorrente não, ela terá sérios problemas para sobreviver.
Mas, com todas as ressalvas, está criada uma situação simplesmente insustentável. A receita dos governos acaba ficando depauperada, e a conta recai na viúva, no aposentado – nos 99%, em suma. Fora isso, como o caso da Grécia mostrou, nenhuma economia sobrevive quando a evasão de impostos — ainda que legal — vira esporte nacional.
O que se viu nos últimos meses, no mundo, foi a revolta dos 99%. Os protestos que nasceram em Nova York e se espalharam pelo mundo gritam, basicamente, o seguinte a diversos governos: em vez de pedir sacrifícios a nós, os 99%, cobrem antes o 1% escandalosamente mimado.
Todas as corporações que estão sendo denunciadas por malandragem fiscal, no mundo, têm operações no Brasil. No entanto, nunca a Receita Federal se pronunciou sobre elas. Nunca, também, a grande imprensa procurou saber se elas fazem aqui o que fazem lá fora.
A Reuters fez jornalismo investigativo de alto qualidade para contar a lamentável história fiscal da Starbucks no Reino Unido.
As grandes empresas brasileiras de jornalismo estão tão ocupadas em propagar a falácia do Custo Brasil que não têm tempo de investigar um tema – o imposto pago por corporações como Google etc – que é de genuíno interesse nacional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…