Pular para o conteúdo principal

A Itália e o mito do BC independente

Por Paulo Moreira Leite
Abertas as urnas italianas, nossos sábios do comentário político poderiam explicar por que imaginavam que Mário Monti, o interventor do BC Europeu que governou o país com um programa de austeridade, poderia ter mais do que uma parcela irrisória dos votos.
Explica-se essa ilusão por uma ideologia – o mito, tão conveniente a quem fica longe do sacrifício, de que o sofrimento de grandes parcelas da população é o caminho inevitável para tirar um país da crise.
A ideia era que, mesmo a contragosto, a população acabaria concordando em apertar os cintos, comprometer o futuro das novas gerações – e ainda bater palmas. Com isso, um tecnocrata sem votos teria chance pelo menos de ser uma voz auxiliar no futuro dos italianos. A razão dos mercados, assim, teria apoio nas urnas. Não deu. De uma forma ou de outra, 9 entre 10 italianos repudiaram o programa econômico imposto ao país pelo Banco Central Europeu, hoje instrumento do governo alemão para definir os rumos do Velho Mundo.
O principal instrumento dessa ideologia é a ideia de um Banco Central independente, que estaria acima da pressão de governos – especialmente aqueles que cometem o pecado de preocupar-se com o bem-estar dos eleitores e por isso são chamados de “populistas”, sempre em tom de desprezo.

(Para quem não acompanha o debate, sugiro a leitura de “A Razão Populista”, de Ernesto Laclau, cientista político argentino que ilumina incompreensões, desvios e preconceitos manipulados por vários críticos – à direita e à esquerda – dos políticos “populistas”).
Mario Monti era a encarnação desse sistema, que avançou mais na Europa do que em outras partes do mundo por uma questão prática. Enquanto no resto do mundo o Banco Central responde a um determinado governo – muitas vezes eleito democraticamente –, no Velho Mundo vive-se uma situação especial. O Banco Central é mesmo “independente” dos eleitores. Escolhido por todos os governos, não presta contas a ninguém – tornando-se um alvo fácil dos mercados.
Não tem compromisso com o futuro das famílias comuns nem com o emprego da juventude.
Sua base social é vaporosa, pulverizada. Não responde a ninguém. Por isso todos os governos europeus caem como dominó, mas a política do BCE continua a mesma.
Monti era fruto dessa aberração política. Quando ficou claro que o bunga bunga Silvio Berlusconi não iria cumprir as ordens de Ângela Merkel, foi trocado como um executivo é demitido quando se mostra incapaz de cumprir ordens de seus acionistas. Graças a essa medida, o próprio Berlusconi poupou-se de um desgaste maior e pode retornar em posição de triunfo – só não foi o primeiro colocado por uma diferença de centésimos.
O novo impasse político italiano tem peculiaridades, mas é idêntico ao dos países vizinhos. Incapazes de colocar suas instituições políticas a serviço da maioria, que não abre mão do crescimento, do emprego e da defesa de suas garantias, os sucessivos governos europeus estão condenados a cair em velocidade cada vez maior. O escândalo de corrupção que já atinge o PP espanhol, com um mandato recém-saído das urnas, é apenas um sintoma deste enfraquecimento político.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…