Pular para o conteúdo principal

Sobre o crescimento brasileiro

Enviado por luisnassif,
04/04/2011
Por Bento

Caro Nassif

Permita-me discordar.

  1. O Brasil tem sim uma trajetória clara de crescimento para os próximos anos e quiçá décadas, baseada no crecsimento do mercado interno. Pode-se questionar o viés desse crescimento, que modelo de país estamos construindo (no caso atual, a crítica mais sólida me parece a de que na base das commodities estamos caminhando a passos largos para nos tornar uma espécie de "Austrália" latina), mas daí a dizer que não há rota de crescimento vai uma longa distância. Nenhum economista sério ousaria afirmar por ex. que o Brasil terá dificuldades para crescer entre 4,5 e 5% a.a. no atual andar da carruagem, e isso não é pouca coisa.
  2. Então acho que mais importante que questionar a viabilidade do modelo atual é apontar suas limitações em termos de progresso técnico e qualidade da inclusão social no médio e longo prazo. Pois a maior tragédia do atual modelo de crescimento é que sim, ele existe (já estamos entrando no 5º ano consecutivo em que ele vigora), sim, ele tem lógica (baseada na exportação de commodities, expansão do crédito ao consumo e inclusão social), e sim, ele funciona muito bem no curto prazo (Lula e Dilma que o digam). Enquanto vislumbrarmos um mundo em que as commodities permaneçam nos atuais patamares de preço, o Brasil ainda terá fôlego de sobra para sustentar o atual ritmo de crescimento sem grandes problemas. Com direito a superávit comercial inclusive.
  3. Afirmar que as reservas possuem liquidez imediata é uma falácia, pois o que realmente importa é o perfil da dívida pública, que vem sendo consistentemente alongado e tendo seu custo reduzido nos últimos anos em proporção da arrecadação tributária. Caso contrário você estaria afirmando que nossa situação macroeconômica atual é exatamente igual à de 1998 do ponto de vista das contas externas, o que soa absurdo. No curto prazo pode haver sim uma fuga de capitais indepedente desses fundamentos macroeconômicos, mas essa hipótese tem se tornado cada vez mais remota, ainda mais com a enxurrada de liquidez patrocinada pelo Fed a partir de 2008.
  4. O problema dos juros é bem mais complexo no contexto de uma "doença holandesa", problema mais grave apontado pelso economistas para o Brasil hoje. Não são apenas as pressões inflacionárias oriundas do setor de serviços que ensejam sua elevação - num contexto de forte entrada de capitais (e a maior parte deles pouco interessada em fazer arbitragem, senão não estariam fazendo a bolsa bater sucessivos recordes), o Bacen tem um desafio sério para conter a escalada do crédito internamente. Muito antes dos heterodoxos, economistas brasileiros "made in Chicago" já apontavam a tendência à perda de efetividade da política monetária no país em função do desenvolvimento de novos canais de financiamento para empresas e famílias sobre os quais a Selic pouco influenciava. Como não podiam falar mal do capital externo, esses economistas culpavam o governo, em particular o BNDES e os bancos públicos, por expandir "artificialmente" o crédito no país por meio de empréstimos subsidiados e crédito consignado. E eles estavam parcialmente certos. O Bacen não está cego a esses problemas, tanto é que tem enfatizado uma mudança recente na avaliação do problema inflacionário no Brasil. Mas não existe uma "boa" solução a vista ainda.
  5. Desvalorização cambial é uma saída arriscada, posto que para ser "controlada" implica o compromisso do Bacen com uma taxa de câmbio, o que, vale dizer, sinaliza claramente aos agentes o quanto "a banca tem" e o quanto é necessário para quebrá-la. Se de fato as reservas fossem de liquidez imediata, não haveria qualquer possibilidade do Bacen adotar essa estratégia. Penso que o problema hoje não é a desvalorização em si, pois as reservas dão sim um colchão de segurança e tanto pro governo. O problema é o impacto sobre a inflação e sobre suas expectativas futuras, num regime de metas. O bom do regime de metas é que ele traz credibilidade, e o mal é que ele traz credibilidade também. Se você não cumpre, sua credibilidade vai para o ralo não importa o quanto você argumente em termos de racionalidade econômica, pis trata-se de um clássico compromisso de "amarrar as mãos". Por isso a discussão emperra. O Bacen já esta tentando "aprimorar" (leia-se flexibilizar) o regime de metas de inflação, mas essa estratégia é gradual e nada assegura que seja suficiente. Mas o regime faz parte do atual "modelo". Aliás, é a principal parte. Muita gente esquece que a desvalorização cambial de 1999 - inevitável e imprescindível para recolocar o país nos trilhos, ressalte-se - custou a maior parte do ganho real dos salários ocorrido no primeiro governo FHc, e teve consequências políticas nefastas para ele no segundo. Por isso ajustes como esse difcilmente são decididos por governos; em geral eles se impõem por si mesmos numa crise braba. E a tragédia de Lula, sua verdadeira e única herança maldita, talvez seja mesmo isso: seu modelo de crescimento é tão simples e eficiente no curto prazo que impede que uma crise advenha e imponha na marra o ajuste necessário às contas externas. Por isso só resta o próprio governo tomar uma atitude.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…