Pular para o conteúdo principal

É um texto do Michael Moore criticando a Vale no Canadá e fazendo referências ao Brasil e Terceiro Mundo

Os problemas da Vale no Canadá

Enviado por luisnassif,
24/03/2011

(Tradução livre)

Porque eu apoio o povo de Thompson, Canada – E você também deveria

By Michael Moore

Para as pessoas aqui nos EEUU, Thompson, Canada e sua luta com a gigante mineradora brasileira Vale pode parecer muito distante.

Não é.

(Não fique embaraçado se você precisa de um mapa para achar Thompson, todavia - culpe a mídia americana, que somente lhe contará sobre os canadenses, se eles tiverem alguma conexão com Justin Bieber).

Neste momento Thompson está lutando numa batalha de frente numa guerra que tem sido campeada há 30 anos – a guerra global do mundo rico na classe média. É uma guerra que o povo de Flint e todos de Michigan conhecem muito bem. É uma guerra acontecendo agora em Wisconsin. E é uma guerra onde a classe média ganhou um round no Egito. (Você provavelmente não sabia – porque a mídia americana estava muito preocupada em contar-lhe sobre Justin Bieber – que Gamal Mubarak, filho do ditador do Egito e seu escolhido sucessor, trabalhou por anos para o Bank of America.)

Eis o que está acontecendo em Thompson, e porque interessa muito:

Canada não é como os Estados Unidos - é ainda uma cidade do primeiro mundo, onde as corporações parecem existir para beneficiar o povo, não ao contrário. Eles não tem uma assistência universal de saúde – eles tem alguma coisa chamada Ato de Investimento do Canadá, que diz que as multinacionais como Vale podem somente investir nas indústrias canadenses se beneficiar todos do Canadá. Eu sei, loucura!

A mina em Thompson seguia sob a Inco, uma corporação canadense que fez paz com os trabalhadores e dividia as riquezas. Quando a Vale comprou a Inco em 2005, eles assinaram um contrato com o governo especificando o que eles deveriam fazer para beneficiar os canadenses.

Imediatamente após, Vale violou o contrato e foi para o ataque – forçando mineradores em Sudbury, Ontario, no maior golpe em sua história. E agora em Thompson eles estão tentando derrubar as operações de refino que fizeram da cidade o maior eixo da província. Enquanto isso, o governo conservador de Stephen Harper – espécie de George W.Busch com um sotaque canadense – está atualmente ajudando a Vale a fazer isso para os seus amigos cidadãos, com um empréstimo governamental de $ 1 bilhão, que a Vale está usando para retirar empregos de Thompson. Além disso, o maior investidor institucional na Vale é Backrock, uma firma de investimento que sucessivamente tem por muitas vezes baldeado bancos... incluindo Bank of America.

Então isso é sobre uma coisa e somente uma coisa: matar o contrato social do Canadá. Vale e o governo Harper não querem um futuro onde o Brasil gradualmente se torne mais como o Canadá. Em vez disso, eles querem um futuro onde o Canadá se torne o Brasil. E não simplesmente o Canadá: o plano da corporação é que o Terceiro Mundo se torne o Único Mundo.

É por isso que as pessoas em todo lugar precisam apoias Thompson. Como Niki Ashton --a MP que representa Thompson e a segunda mais nova mulher eleita para o Parlamento canadenses – diz:

“Foi Flint ontem, somos Nós e Wisconsin Hoje, e Amanhã serão Todos.”

E é por isso que eu me orgulho de destacar Ashton e vozes das gentes de Thompson no mue website. E é por isso que eu estou lhe pedindo para ver seu poderoso vídeo, ouvir suas histórias e dividí-los com todos que conhece.

Pessoas normais através do mundo estão levantando agora e dizendo “Não!” para o futuro que eles planejaram para nós. Nós ganhamos no Egito. Nós estamos acordando e lutando atrás através os

Estados Unidos. Todos levantemos com Thompson e façamos aqui o lugar onde nós viramos o curso dessa terrível guerra. Como Kamal Abbas, um dos mais importantes líderes, disse numa mensagem de vídeo para Wisconsin: “Nós levantamos com vocês, como vocês levantaram conosco.”

(Confidencial ao povo de Thompson: nós não estamos dizendo aos americanos somente nos ajudar se vocês prometerem nos apresentar para Justin Bieber. Nós estamos simplesmente dizendo, você sabe; não podia ferir).

Why I Support the People of Thompson, Canada -- And You Should Too

http://www.michaelmoore.com/words/mike-friends-blog/why-i-support-people-of-thompson-canada

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…