Pular para o conteúdo principal

Apoio ao Wikileaks

O texto faz parte de um abaixo assinado de apoio à WIKILEAKS. Quem desejar assinar, é só clicar:

http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2010N4320


O(a)s cidadãos e cidadãs abaixo assinado(a)s, por meio da presente petição, manifestam seu veemente repúdio à tentativa, pelo governo estadunidense, de estabelecer censura à rede mundial de computadores (Internet), num claro propósito de impedir o tráfego de informações que vazaram dos setores da inteligência do governo dos Estados Unidos e aliados, episódio que afronta a soberania nacional dos Estados-membro da Organização das Nações Unidas e às mais comezinhas normas de convívio civilizado, em pleno século XXI.

Em razão dos relevantes serviços prestados pela WikiLeaks, pela divulgação de documentos sigilosos de governos e corporações que dizem respeito à vida de milhares de milhões de pessoas em todo o planeta, além das ameaças à liberdade de expressão por meio da internet livre, um dos mais ricos repositórios de informações, cultura e entretenimento de toda história, denunciamos a perseguição ao site WikiLeaks e a seu fundador e proprietário, alvo de uma campanha de retaliação em diversos países, sobretudo nos Estados Unidos e na Europa.

Acreditamos no futuro da humanidade e na luta contra a opressão, e reiteramos nossa convicção inarredável de que as formas de cerceamento são contrárias aos valores maiores construídos ao longo da evolução das sociedades humanas, sobretudo o sagrado direito à liberdade e o acesso à informação, curiosamente defendido quando convém pelos mesmos setores que hoje fazem coro ao discurso dos algozes da liberdade de manifestação do pensamento em todos os quadrantes do planeta.


Em 8 de dezembro de 2010 (62º aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Cidadão)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…