Pular para o conteúdo principal

Apoio ao Wikileaks

O texto faz parte de um abaixo assinado de apoio à WIKILEAKS. Quem desejar assinar, é só clicar:

http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2010N4320


O(a)s cidadãos e cidadãs abaixo assinado(a)s, por meio da presente petição, manifestam seu veemente repúdio à tentativa, pelo governo estadunidense, de estabelecer censura à rede mundial de computadores (Internet), num claro propósito de impedir o tráfego de informações que vazaram dos setores da inteligência do governo dos Estados Unidos e aliados, episódio que afronta a soberania nacional dos Estados-membro da Organização das Nações Unidas e às mais comezinhas normas de convívio civilizado, em pleno século XXI.

Em razão dos relevantes serviços prestados pela WikiLeaks, pela divulgação de documentos sigilosos de governos e corporações que dizem respeito à vida de milhares de milhões de pessoas em todo o planeta, além das ameaças à liberdade de expressão por meio da internet livre, um dos mais ricos repositórios de informações, cultura e entretenimento de toda história, denunciamos a perseguição ao site WikiLeaks e a seu fundador e proprietário, alvo de uma campanha de retaliação em diversos países, sobretudo nos Estados Unidos e na Europa.

Acreditamos no futuro da humanidade e na luta contra a opressão, e reiteramos nossa convicção inarredável de que as formas de cerceamento são contrárias aos valores maiores construídos ao longo da evolução das sociedades humanas, sobretudo o sagrado direito à liberdade e o acesso à informação, curiosamente defendido quando convém pelos mesmos setores que hoje fazem coro ao discurso dos algozes da liberdade de manifestação do pensamento em todos os quadrantes do planeta.


Em 8 de dezembro de 2010 (62º aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Cidadão)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

Pobre discussão

Por Delfim Netto
Quando, há um ano e meio, o Banco Central iniciou o cuidadoso procedimento de redução da taxa de juros, abriu-se um espaço para a multiplicação de análises interessadas em atacar a política. A expectativa era produzir um nível de descrédito capaz de interromper o processo. Basicamente, as análises favoráveis à manutenção dos altos juros pretendiam convencer a sociedade de que sem eles seria impossível controlar a inflação. A inflação tem causas estruturais muito mais complexas do que aquelas passíveis de correção com a elevação dos juros O governo insistiu, contudo, na política de trazer o juro o mais próximo possível dos níveis internacionais, por entender ter esse um espectro de influência sobre o sistema econômico que transcende seu papel de estabilizar a inflação. Manter um juro real baixo é fundamental para estimular a retomada dos investimentos privados. E um fator decisivo para aumentar a capacidade do investimento público nos empreendimentos vitais para a solução…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…