Pular para o conteúdo principal

CPI DA PETROBRAS









Esse BLOG é uma iniciativa cidadã, com objetivo de acompanhar a "CPI DA PETROBRÁS".

Como reflexão introdutória, vale lembrar que em um estado democrático de direito, é dever do legislativo fiscalizar os atos do poder executivo. Mas cabe a todo agente público, seja ele fiscal ou fiscalizado, prestar contas de seus atos para a sociedade. Nesse ponto, ainda vale o pensamento de Rousseau: o patrão é a sociedade. O Estado está para servir o cidadão !!!!

Enfim, o agente público (inclui nessa categoria magistrados, ministros, parlamentares, integrantes do judiciário e do ministério público, não podemos esquecer do presidente do STF, etc...) precisa prestar conta para a população. Afinal, para manter seus gabinetes e suas boas condições de trabalho e de vida, apropria-se via imposto, parte do trabalho de cada brasileiro.

A pergunta que se faz é: o que motivou a criação de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar a PETROBRÁS ? Quais são os reais interesses dessa iniciativa?

1. Dever cívico dos parlamentares que assinaram o requerimento da CPI?

2. Interesses políticos de olho nas eleições de 2010?

3. Interesses econômicos, tendo em vista a renda do petróleo do pré-sal?


Possivelmente uma mistura disso tudo. Embora, o ingrediente dever cívico deve ter apenas uns traços (uma pequena pitada). E isso, apenas nos discursos dos parlamentares.

É de conhecimento geral que a PETROBRAS representa muito para o Brasil, e que desfruta de grande prestigio e carinho da população (na linguagem econômica, pode-se dizer que é uma marca valorizada). Não se pode negar o papel da empresa no desempenho econômico do Brasil nos últimos anos. Em vários setores foi decisiva, com na indústria naval.

Os governantes de plantão sabem disso. Certamente gostariam de vê-la ainda mais vinculada à visões imediatistas e fisiológicas que ditam o cotidiano da política em nosso país.

E para aqueles que desejam se dar bem, embolsando parte da renda petrolífera, dependendo onde estão situados, a empresa pode ser uma ponte, ou um obstáculo. Possivelmente é um obstáculo !!!

No entanto, para os interesses estratégicos do país, a empresa não deve ser fragilizada.

Assim, nosso BLOG se propõe a desempenhar um triplo papel.

Em primeiro lugar, informativo. Procuraremos trazer informações e dados relevantes sobre o desdobramento da CPI, como a íntegra dos documentos oficiais que deram origem a CPI (requerimento que pede a instalação da CPI, entre outros).

No campo informativo é relevante mostral o perfil de cada um dos parlamentares envolvidos nessa CPI.
Não se trata do nome, partido ou idade do parlamentar. É preciso deixar claro quais os interesses que o parlamentar defende e em que grupo está vinculado.

Consideremos esses elementos chaves para compreender melhor se há, e em havendo, quais são esses interesses ocultos.

Em segundo lugar, promover o debate crítico, que pode ocorrer de forma mais livre e informal, através de breves comentários ou de artigos de opinião mais estruturados, a favor ou contra determinadas questões.

E, em terceiro lugar, tendo em vista o andamento das investigações sugerir temas que deveriam ser aprofundados no ambito da investigações.

Como exemplo, o caso do programa prioritário de termelétricas, conhecido como PPT que impõs grandes prejuízos a empresa.

Evidentemente que o BLOG não se restringirá as questões relacionadas a PETROBRÁS. Energia, meio ambiente, o pré-sal, certamente serão temas discutidos nesse espaço.

Seja bem vindo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…