Pular para o conteúdo principal

Quem legisla não aplica a lei; quem aplica a lei não legisla, diz Pedro Serrano

Por Sandra O. Monteiro
Tanto o Poder Legislativo, como o Poder Executivo, estão equivocados ao tentar invadir a competência um do outro, na opinião do professor de Direito Constitucional da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/USP), Pedro Serrano.
Ele considera grave a liminar que paralisou o projeto de lei que versa sobre a criação de novos partidos. Para Serrano, se é um projeto de lei, não há lei, ou seja, não como o STF controlar a constitucionalidade de algo que ainda está em discussão política.
Quanto à Proposta de Emenda à Constituição número 33, o professor é taxativo ao afirmar que ela é inconstitucional. Ela “altera profundamente a Constituição e fere a divisão dos poderes”.
Abaixo, a íntegra da entrevista do professor Pedro Serrano ao JornalGGN.
Como o senhor enxerga a crise que o Legislativo e o Judiciário vivenciam hoje?
A meu ver ambos (Legislativo e Judiciário) estão equivocados. Ambos erraram por tentar invadir a competência um do outro. É claro que uma certa tensão sempre existe porque o STF exerce o controle contramajoritário de tutela dos direitos fundamentais e de minorias, enquanto o Legislativo representa a soberania popular. Apesar disto, não considero que haja uma crise entre os poderes.É apenas um momento difícil
Este momento difícil é ocasionado, por um lado, pela proposta de emenda constitucional número 33, que subtrai a competência do Supremo Trinbunal Federal (STF) de ter a decisão definitiva quanto à inconstitucionalidade de uma norma. Por outro, devido à postura do STF em proferir decisões que invadem a competência do Legislativo.
Se a PEC 33 for aprovada da forma como está, realmente, não há porque existir o STF. E se o Supremo continuar a decidir como no caso do projeto de lei, não há porque haver Parlamento. Ao invés de termos poderes republicanos, passaremos a ter poderes imperiais.
Quais são os problemas decorrentes da decisão do Ministro Gilmar Mendes que paralisou o projeto de lei que versa sobre a criação de novos partidos?
No caso do projeto, a decisão do Supremo foi errada. Em primeiro lugar, porque não cabe ao STF decidir se um projeto de lei é ou não inconstitucional. A ele, cabe tomar decisões definitivas após toda a discussão legislativa e quando já existe efetivamente uma lei ou uma emenda. Não pode existir um controle de constitucionalidade abstrato, baseado em suposições de que o projeto não possa vir a ser alterado dentro dos procedimentos normais de tramitação no Congresso.
Um terceiro ponto é a forma como se deu a decisão. O STF pode, sim, conceder liminar, mas não em um mandado de segurança. Este não é o procedimento correto quando se trata de uma discussão de inconstitucionalidade. Os rituais efetivos para se debater a inconstitucionalidade são a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) e a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF).    
Além disto, a discussão de mérito, ou seja, se a lei ou o projeto são bons ou não para a sociedade cabe ao Congresso. Ao Supremo cabe simplesmente decidir se a matéria de que trata a lei (e não o projeto) é ou não constitucional. A paralisação do projeto limita a discussão no Congresso e, este, tem absoluta liberdade para discutir porque formado por representantes do povo.
E qual sua posição a respeito da PEC 33?
A PEC 33, a meu ver, é inconstitucional.
A proposta é inteiramente inconstitucional ou em partes?
A inconstitucionalidade da proposta decorre da tentativa de retirar do STF o direito de ter a decisão final quanto à interpretação constitucional de uma lei ou proposta de emenda. Isto altera profundamente a Constituição e fere a divisão dos poderes. Cabe ao STF a decisão final quanto à constitucionalidade. Esta é uma de suas competências.
Aumentar o quorum de Ministros para a tomada de decisão não é inconstitucional?
A questão do quorum para mim não é tão grave para ser considerada inconstitucional. Mas, com certeza, cria um procedimento mais dificultoso do que o estabelecido na Constituição Federal. O qurorum é jurídico.
Um dos argumentos para o aumento de quorum para decisões do STF é que durante a tramitação no Legislativo o quorum necessário, por exemplo, de uma emenda são de três quintos de cada Casa do Congresso e em dois turnos. É válido?
Não há o mesmo procedimento do Legislativo porque não há discussão política quanto ao mérito do projeto ou da proposta se são bons ou nãos para a sociedade. Há apenas uma discussão técnica quanto a (in)constitucionalidade.
E o plebiscito?
O plebiscito em si não é inconstitucional. Mas há a necessidade de se lembrar que as decisões tomadas pelo Supremo não são majoritárias, envolvem muitas vezes direitos de minorias. É paradoxal pensar que uma maioria possa decidir sobre direitos de uma minoria. Além disso, as decisões do STF são técnicos-políticas, envolvem a análise jurídica das questões, não são simplesmente políticas.
O STF pode julgar casos em que esteja envolvido como é o caso da PEC 33?
Certamente, porque não são os interesses individuais dos Ministros que estão envolvidos no julgamento, mas os interesses do Poder Judiciário e da República.
 O senhor considera que o STF tem praticado ativismo?
 Sim e não. Tem vários fatos que levam a entender que o supremo está praticando ativismo judicial. É claro que às vezes, ele foge aos padrões e inova a ordem jurídica como no caso da união homoafetiva. O supremo resolveu realizar a interpretação extensiva (em sentido e alcance) quanto à constituição familiar.
 O que não pode acontecer é a imperialização dos poderes. Quem legisla não aplica a lei. Quem aplica a lei não legisla.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

Prestes a fazer 90 anos, acaba de abandonar o MIT. Ali revolucionou a linguística moderna e se transformou na consciência crítica dos EUA. Visitamos o grande intelectual em seu novo destino, no Arizona Por JAN MARTÍNEZ AHRENS Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da  vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos. Preparado para o ataque.Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glóri…

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Britânicos querem reestatizar empresas

Jornal GGN - Mais de 70% são favoráveis a nacionalização de água, eletricidade e ferrovias; centro de pesquisa desenvolve estudos para reestatização a custo zero. 

O Reino Unido foi considerado a Meca das privatizações nos anos 80, mas em 2018, os britânicos querem de volta o controle estatal de serviços essenciais. Segundo levantamento feito no Reino Unido, 83% são a favor da nacionalização do serviços de abastecimento e tratamento de água; 77% de eletricidade e gás e 76% a favor da nacionalização das linhas de transporte ferroviário. O "Estado mínimo" se mostrou uma bomba-relógio social. A reestatização de todas essas empresas, incluindo a Thames Water, responsável pelo abastecimento na Grande Londres, custaria ao governo do Reino Unido algo em torno de 170 bilhões de libras. Mas um trabalho desenvolvido pela Big Innovation Centre cria um modelo de contrato onde a Grã-Bretanha conseguiria retomar o controle das empresas sem gastar um centavo. Isso seria possível com uma no…