Pular para o conteúdo principal

Golpe de 1964 e o projeto interrompido

Por Mauro Santayana
Quando relembramos o golpe de abril de 1964, nesse novo aniversário de constrangimento, é preciso vê-lo dentro do processo histórico brasileiro. Tratou-se de um ato antinacional, na intenção e nos resultados. Desde a ocupação, apesar do modelo imperial português, o Brasil demonstrava identidade própria. Enquanto os funcionários da Metrópole exerciam a soberania formal sobre o território, fosse ele separado em capitanias ou regiões administrativas, a nação, com seus sentimentos e na disposição de ocupar os grandes espaços desconhecidos, formava-se à parte de Portugal. Nisso, é notável a autonomia das primeiras cidades, que se governavam mediante a eleição dos homens “bons” da comunidade.
O primeiro ato concreto de construção da nacionalidade foi o da luta contra os holandeses, no século 17, e sua expulsão definitiva do território na gesta de Guararapes – pelos brasileiros, sem a presença de tropas portuguesas. A descoberta do ouro em Minas, no limiar dos anos 1700, reuniu uma comunidade rica, culta e política nas cidades principais da nova capitania. A ideia de nação ganhou em Minas os seus instrumentos práticos, com a formação de sociedade naturalmente preocupada com o poder, ou seja, com a política e a necessidade de um estado realmente nacional.
É assim que a Inconfidência avança e dá estatuto aos sentimentos de libertação do Brasil e de construção de um estado republicano. Uma frase de Tiradentes serve de lema ao projeto de grandeza que ele trazia no peito, e que se afirmaria depois de sua morte: “Se todos forem de meu ânimo, faremos deste país uma grande nação”.
As lutas que se seguiram, pela Independência, se fariam já com o projeto nacional amparado pelas ideias republicanas, vitoriosas na independência americana e na Revolução Francesa – ambas no final do século 18. José Bonifácio, José Clemente Pereira, os irmãos Rocha Maciel, de Minas, e outros fizeram e consolidaram a independência em seus primeiros anos. O projeto nacional, animado por José Bonifácio, iniciou-se ainda no período da Regência, com a construção de ferrovias e os estaleiros da Ponta da Areia, sob o empreendedorismo de Irineu Evangelista de Sousa, o Barão de Mauá; a expansão das lavouras cafeeiras e o crescimento acelerado da produção açucareira do Nordeste.
Faltou povo
Infelizmente, o povo não fazia parte dessa equação. A força de trabalho braçal estava nos escravos. Os brancos pobres, empregados em situação mais do que subalterna nas cidades ou no campo, estavam à margem do processo: não podiam votar. O poder era exercido pelas oligarquias rurais, que mandavam seus filhos estudar Direito e representá-las no Parlamento e no Poder Executivo.
A Abolição da Escravatura e a República não trouxeram mudança significativa na estrutura social. O poder continuava com as oligarquias que, por necessidade, o dividiam com as Forças Armadas. Os bacharéis, filhos de fazendeiros do Sul e senhores de engenho do Nordeste, revezavam-se com os militares na liderança política do país. A Revolução de 1930, com o programa da Aliança Liberal, inseriu os pobres na vida econômica, mediante a intervenção do Estado nas relações trabalhistas, com as leis impostas por Getúlio.
O projeto de desenvolvimento prosseguiu, com a criação da Vale do Rio Doce e da Companhia Siderúrgica Nacional. A destituição de Vargas, em 1945, e o governo medíocre de Dutra, que o sucedeu, desaceleraram o processo. Ao voltar, Vargas o retomou, com decisões corajosas, como a criação das grandes estatais, como a Petrobrás, mas o acosso dos Estados Unidos e a articulação das velhas oligarquias contra o desenvolvimento social do país, levaram-no ao suicídio. Juscelino, com alguma habilidade e concessões menores, prosseguiu o caminho interrompido.
Depois do histriônico governo de Jânio Quadros, João Goulart tentou avançar, com as necessárias reformas de base. Novamente as velhas oligarquias se associaram aos americanos, com o golpe conhecido. Os latifundiários e os banqueiros queriam continuar explorando o povo brasileiro, e os norte-americanos não toleravam a idéia de ter um grande país com eles competindo no mesmo continente. Esses foram os motivos do golpe de abril de há quase 50 anos.
A retomada do processo democrático foi uma vitória dos cidadãos organizados em entidades civis, na luta política que reunia parlamentares, estudantes, trabalhadores, religiosos e intelectuais, sob as terríveis condições da perseguição do regime militar e dos grupos paramilitares terroristas que serviam à ditadura, financiados pelos empresários.
Essas entidades mobilizaram o povo, na Campanha das Diretas e na Constituição de 1988. O movimento vitorioso nos trouxe a esperança e começamos, com as dificuldades conhecidas, retomar o caminho interrompido. Collor e Fernando Henrique, que mutilou a Constituição com o suborno, submeteram-se ao neoliberalismo, e trouxeram novo retrocesso, que está sendo difícil superar. Só a mobilização dos cidadãos, com os trabalhadores à frente, poderá levar o Brasil ao cumprimento de seu destino – o de uma grande nação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

25 anos sem Chico Mendes

Por Felipe Milanez Morto em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes deixou um legado de intensa disputa política e é fonte de inspiração para movimentos sociais pelo mundo Chico Mendes queria viver para salvar a Amazônia Foto de Chico Mendes em sua casa, poucos meses antes de morrer. Na sua última entrevista, concedida a Edilson Martins, ele dizia que queria viver para salvar a Amazônia, pois sabia que a impunidade era o lugar comum das mortes na região Na noite de 22 de dezembro de 1988, uma semana após completar 44 anos de idade, Chico Mendes foi alvejado por um tiro de escopeta no peito, na porta de sua casa, em Xapuri, Acre, enquanto saía para tomar banho (o banheiro era externo). No interior da casa, os dois guarda costas responsáveis por cuidar da sua segurança, da polícia militar, jogavam dominó e fugiram correndo ao escutar o disparo. A tocaia foi armada pelo fazendeiro Darly Alves e executada por seu filho, Darcy, junto de um outro pistoleiro. A versão que se tornou oficial da morte…

Black blocs, lições do passado, desafios do futuro

Por Bruno Fiuza*
Especial para o Viomundo Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país. Repito: dimensão e popularidade – pois, ao contrário do que muita gente pensa, esta não foi a primeira vez que grupos se organizaram desta forma no Brasil, e muito menos no mundo. Aliás, uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos. É claro que ninguém que conhecia a história da tática black bloc quando ela começou a ganhar popularidade no Brasil esperava que os setores dominantes da sociedade nacional tivessem algum conhecimento sobre o assunto. Surgida no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980, a tática black bloc permaneceu muito pouco conhecida fora do Velho Contin…

Ações do papa Francisco são herança de experiência jesuítica na América

Por Umberto Eco
O papa Francisco é um jesuíta que assumiu um nome franciscano e é a favor de se hospedar em hotéis simples, em vez de acomodações mais luxuosas. Tudo o que resta para ele é vestir um par de sandálias e um hábito de monge, expulsar do templo os cardeais que andam de Mercedes e voltar à ilha siciliana de Lampedusa para defender os direitos dos imigrantes africanos detidos lá. Às vezes, parece que Francisco é a única pessoa restante que diz e faz "coisas de esquerda". Mas ele também é criticado por não ser esquerdista o suficiente: por não se manifestar publicamente contra a junta militar na Argentina nos anos 70; não apoiar a teologia da libertação, que visa ajudar os pobres e oprimidos; e não fazer pronunciamentos definitivos sobre o aborto ou pesquisa de célula-tronco. Logo, qual é exatamente a posição do papa Francisco? Primeiro, eu acho errado considerá-lo um jesuíta argentino; talvez seria melhor pensarmos nele mais com um jesuíta paraguaio. Afinal, parece qu…